Insecta Shoes

domingo, junho 01, 2008

A Hora da Morte - Lisa Gardner

O calor parece sufocar o assassino. Quanto mais a temperatura sobe mais intensa é sua vontade de matar. Dos campos de algodão de Burke County às regiões pantanosas entre a Geórgia e Virgínia, o assassino ecológico rapta mulheres aos pares. Uma mata, sem piedade, a outra é escondida num zona inóspita em que em poucos dias morrerá – mas lentamente. No corpo da primeira mulher deixa pista para a localização da segunda. Conseguirá o FBI decifrar essas pistas e encontrar a segunda vítima? Numa corrida contra o tempo, o assassino jogo com os investigadores. Conhece os seus métodos, é exímio no plantar de pistas... verdadeiras ou falsas? Um thriller assinado por Lisa Gardner.


Kimberly é mais promissora das estagiárias na Academia do FBI.
A sua frieza é uma armadura que a tornam quase intocável. Quando conhece o agente Mac McCormack, um atraente e apaixonado homem, as suas certezas deixam contudo de fazer sentido. Filha de um dos grandes especialistas em perfis de criminosos, tendo sobrevivido ao massacre da sua mãe e irmã, Kimberly quer seguir as pisadas do pai no FBI mas mantém-se afastada dele. Formada em psicologia, especialista em Criminologia, o seu sonho é penetrar e quebrar a mente do assassino.

Descobrindo, durante os seus treinos na Academia do FBI, o corpo de uma das vítimas do assassino ecológico alia-se a Mac numa perigosa investigação. Porque deixa o serial-killer uma das mulheres que rapta em inóspitos lugares? Pretende expor locais de degradação ambiental? Denunciar a violência contra o meio ambiente? Ou terá ele outras razões para matar?


Um escaldante thriller a levar-nos à costa sudeste norte-americana numa intensa vaga de calor que a todos parece afectar. Com milhões de cópias vendidas em todo o mundo, Lisa Gardner é uma das mais aclamadas divas do suspense da actualidade.



Entrevista com Lisa Gardner

A negra fada do crime.
Instinto e investigação forense.

Pacata de dia, de negra imaginação pelas altas horas da noite. Lisa Gardner foi, durante anos, uma simples consultora. Mesmo quando a editora Silhouette Intimate Moments aceitou publicar o seu primeiro livro, «Walking After Midnight», Lisa tentou manter-se no trilho da normalidade. Filha de contabilistas, cedo aprendeu o valor de trabalho e da estabilidade. Mas a verdade... a verdade é que se aborrecia de morte com o trabalho de escritório. Secretamente escrevia, pela madrugada fora, histórias e mais histórias sem ter a coragem de se considerar uma “autora”. Depois de treze títulos publicados sob o pseudónimo de Alicia Scott, inicia-se com «Minha até à Morte» no suspense. Este foi o livro que mudou a sua vida. Com milhões de exemplares vendidos em todo o mundo tornou-se uma das mais conhecidas escritoras dos EUA.

Meticulosa pesquisadora, visita os locais onde imagina o crime, entrevista profissionais, agentes do FBI, recolhe todo o tipo de informação e detalhes que lhe permitem depois escrever arrepiantes thrillers. Romântica e negra, envolvente e rigorosa, escreve com a facilidade uma negra fada do crime. Em «A Hora da Morte» alguém rapta e assassina mulheres aos pares. Uma é deixada sem vida, havendo no seu corpo pistas para o encontrar da segunda mulher. Se os agentes do FBI conseguirem deslindar essas pistas podem ainda salvar uma vida, senão mais uma mulher morrerá numa paisagem dantesca. O assassino obteve a alcunha de ecológico... Pretende expor a destruição ambiental? Ama a natureza?

Círculo de Leitores (CL) – Cria um ambiente quente e sufocante ao longo de todo o livro. De que forma a vaga de calor descrita afecta as personagens?

Lisa Gardner (LG) - Quis criar uma verdadeira corrida contra o tempo. Decidi por isso aliar os actos de um maníaco a um constante aumento da temperatura. O calor é um dos mais perigosos elementos naturais, principalmente se alguém tenta sobreviver ao ar livre. É desconfortável, opressivo, sufocante - em tudo perfeito para um thriller.

CL - O assassino ecológico empurra as vítimas para uma espécie de “jogo de sobrevivência”.

LG - Todos os meus romances se baseiam em casos reais. Para «A Hora da Morte» pesquisei o caso de Ted Kaczynski, o dito Unabomber, que entre os anos 70/80 assassinou diversas pessoas através de bombas enviadas por correio. Ao mesmo tempo que matava as pessoas emitia uma espécie de “manifesto político” justificando os seus actos como uma forma de guerra contra a tecnologia. Ora, o meu assassino ecológico ao mesmo tempo que mata parece querer chamar a atenção para graves desequilíbrios ambientais. Mas, à medida que a investigação avança, começam a revelar-se os seus verdadeiros demónios.

CL - Os locais de crime são também cuidadosamente escolhidos – os campos de algodão de Burke County, as zonas pantanosas de Geórgia e da Virgínia...
LG - Para o assassino ecológico poder executar os seus planos precisava de quatro “tesouros geográficos”. Como não sou propriamente uma perita em aventuras ao ar livre, baseei-me nos estudos geológicos da equipa de Richmond, da U.S. Geological Survey da Virgínia. Eles passam muito tempo nas mais recônditas zonas rurais e sabem do que estão a falar. Foi essa mesma equipa de especialistas que me ajudou a escolher quatros locais do crime e a definir plausíveis pistas naturais para todo o enredo. Acompanharam-me ainda numa pequena expedição aos locais que descrevo no livro. Aprendi muito nessa pesquisa de campo e pude, por exemplo, constatar como os Dismall Swamps são de facto sombrios...

CL - Nota-se também um certo rigor na sua descrição dos procedimentos de investigação do FBI.

LG - Fazer pesquisa é a minha parte favorita da escrita. Para «A Hora da Morte» passei dois dias na Academia do FBI, em Quântico, a entrevistar agentes e a vaguear pelas imediações. Uma experiência fantástica, diga-se.

CL - Voltemos então atrás. Como surgiu a escrita deste thriller?

LG - Este livro é, na verdade, sobre a viagem de uma mulher - Kimberly. Trabalhei o enredo em torno dela, como se a quisesse obrigar a lutar, para a quebrar e fazê-la reerguer-se. Kimberly é alguém que perdeu metade da família num violento crime. É nova em idade, mas de coração envelhecido. Sente-se confortável se armada, mas vulnerável sem as suas armas de defesa. Dei-lhe também por isso um vilão à altura dos seus piores pesadelos. Por outro lado, fi-la conhecer uma pessoa que em nada correspondia às suas expectativas: o agente especial Mac McCormack. Ele é afectivo, divertido, sexy – basicamente tudo o que Kimberly desconhecia. Para além disso Mac vê-a como uma mulher ao passo que ela sempre se viu como uma máquina da lei. Queria saber como lidaria ela com este duplo desafio...

CL - O que a atrai à temática do crime?

LG - Gosto de puzzles. O crime é um complicado puzzle com diferentes motivações, personalidades e logísticas. Se acrescentarmos a essa mistura a argúcia de alguns investigadores e os mais avançados estudos forenses rapidamente temos um enredo muito aliciante.

CL - Há precisamente uma íntima ligação neste livro entre ciência e investigação criminal.

LG – Gosto de ver séries como C.S.I., mas penso que não fazem justiça ao real mundo da investigação forense. Nessas séries televisivas os ditos investigadores introduzem, por exemplo, um vestígio de pó e logo o computador, quase que por magia, fornece a morada da casa de onde veio aquele material. Quem nos dera! No mundo real essa base de dados não existe. Por isso descrevo em «A Hora da Morte» como é difícil para os agentes do FBI resolverem um caso em que é o próprio assassino que lhes deixa “pistas”.

CL – São aliás os sonhos de Nora Ray, a única que mulher que consegue escapar ao assassino ecológico, que contribuem para o deslindar do caso.

LG - Os sonhos de Nora surgiram-se enquanto escrevia, num impulso de escrita que senti ter de seguir. Talvez por isso a escrita seja, afinal, um pouco como a resolução de um crime: um pouco de ciência, um pouco de instinto.

1 comentário:

Carla disse...

Bom dia, comecei ontem a ler este livro e estou a adorar. Coloquei a capa do livro direccionada para esta sua página no meu blogue. Se houver problema diga-me que eu retiro o link.

Continuação de uma boa semana,

Carla