Insecta Shoes

terça-feira, janeiro 25, 2011

A Mulher do Viajante no Tempo - Audrey Niffenegger

Comecei a ler este livro no dia 17/01/2011 e acabei de ler no dia 24/01/2011.

Audrey Niffenegger estreia-se na ficção com um primeiro romance absolutamente prodigioso. Revelando uma concepção inovadora do fenómeno da viagem temporal, cria um enredo intrigante e arrebatador, que alia com magistralidade a riqueza emocional a um apurado sentido do suspense. Este livro é, antes de mais, uma celebração do poder do amor sobre a tirania inflexível do tempo. Para Henry, essa inexorabilidade assume contornos estranhamente inusitados: ele é prisioneiro do tempo, mas não como o comum dos mortais. Cronos preparou-lhe uma armadilha caprichosa que o faz viajar a seu bel-prazer, para uma data e um local inesperados, onde aparece completamente desprovido de roupa ou de outros bens materiais. A Clare, sua mulher e seu grande amor, resta o papel de Penélope, de uma Penélope eternamente reiterada a cada nova partida de Henry para onde ela não pode segui-lo. Quando Clare e Henry se encontram pela primeira vez, ela é uma jovem estudante de artes plásticas de vinte anos e ele um intrépido bibliotecário de vinte e oito. Clare já o conhecia desde os seis anos… Henry acabava de a conhecer… Estranho?! Poderia parecer, não fosse a mestria de Audrey para tecer os fios do tempo com uma espantosa clareza. Intenso e fascinante, "A Mulher do Viajante no Tempo" é um livro inesquecível pela qualidade das reflexões que provoca, pela sensibilidade com que nos retrata a luta pela sobrevivência do amor no oceano alteroso do tempo. Na orla desse oceano, perscrutando o horizonte, ficará sempre Clare, à espera de um regresso anunciado…



Críticas de imprensa
"... um romance magistral, quer na concepção quer na feitura."
J.G.M., Expresso, 30 de Abril de 2005

Audrey Niffenegger was born in 1963 in the idyllic hamlet of South Haven, Michigan. Her family moved to Evanston, Illinois when she was little; she has lived in or near Chicago for most of her life.

She began making prints in 1978 under the tutelage of William Wimmer. Miss Niffenegger trained as a visual artist at the School of the Art Institute of Chicago, and received her MFA from Northwestern University’s Department of Art Theory and Practice in 1991. She has exhibited her artist’s books, prints, paintings, drawings and comics at Printworks Gallery in Chicago since 1987.

Her first books were printed and bound by hand in editions of ten. Two of these have since been commercially published by Harry N. Abrams: The Adventuress and The Three Incestuous Sisters.



In 1997 Miss Niffenegger had an idea for a book about a time traveler and his wife. She originally imagined making it as a graphic novel, but eventually realized that it is very difficult to represent sudden time shifts with still images. She began to work on the project as a novel, and published The Time Traveler’s Wife in 2003 with the independent publisher MacAdam/Cage. It was an international best seller, and has been made into a movie.

In 1994 a group of book artists, papermakers and designers came together to found a new book arts center, the Columbia College Chicago Center for Book and Paper Arts. Miss Niffenegger was part of this group and taught book arts for many years as a professor in Columbia College’s MFA program in Interdisciplinary Book and Paper Arts. She is now on the faculty of the Columbia College Fiction Writing Department. Miss Niffenegger has also taught for the Newberry Library, Penland School of Craft and other institutions of higher learning.

Miss Niffenegger is a founding member of the writing collective Text 3 (T3). Recent T3 endeavors include the litmag little Bang and some rather amusing dinner parties.

Miss Niffenegger’s second novel, Her Fearful Symmetry, was published in 2009 by Scribner (USA), Jonathan Cape (UK) and many other fine publishers around the world. In 2008 she made a serialized graphic novel for the London Guardian, The Night Bookmobile, which was published in book form in September, 2010. She is working on her third novel, The Chinchilla Girl in Exile.

segunda-feira, janeiro 17, 2011

Três Contos - Máximo Gorki

Comecei a ler este livro no dia 16/01/2011 e acabei de ler no dia 17/01/2011.



Máximo Gorki (Максим Горький), pseudônimo de Aleksei Maksimovich Peshkov (em russo, Алексей Максимович Пешков) (Nijni Nóvgorod,28 de março de 1868 – Moscovo, 18 de junho de 1936), foi um famoso escritor, romancista, dramaturgo, contista e ativista político russo. Gorki foi escritor de escola naturalista que formou uma espécie de ponte entre as gerações de Tchekhov e Tolstoi, e a nova geração de escritores soviéticos.

Gorki nasceu em um meio social pobre, em Nizhny Novgorod, cidade que em 1932 passou a se chamar Gorki por ordem de Stalin. O nome da cidade foi revertido para o nome original em 1991. Órfão de pai foi criado pelo avô materno que era tintureiro. Em 1878 quando sua mãe faleceu teve que deixar a casa do avô para ir trabalhar. Foi sapateiro, desenhista, lavador de pratos num navio que percorria o Volga, onde teve contato com alguns livros emprestados pelo cozinheiro, o que acabou despertando sua consciência política.



Em 1883, com apenas 15 anos, publica dois romances, Romá Gordieiev e Os Três; aos 16 anos, muda-se para Kazan, onde tenta cursar gratuitamente a universidade, porém, não consegue e, frustrado, vai trabalhar como vigia num teatro para sobreviver. Mais tarde torna-se pescador no mar Cáspio e vendedor de frutas em Astrakan. Como a situação não melhorava, decide ir em busca de melhores oportunidades, e viaja para Odessa com um grupo de marginais nômades que iam de cidade em cidade à procura de emprego. Assim, ele exerce várias profissões, sofre com a miséria, a fome e o frio. Aos 19 anos volta a morar em Kazan, onde, desesperado com a situação e sem vontade de continuar vivendo, tenta o suicídio com um tiro, o qual atinge um dos pulmões, mas sobrevive e para piorar mais a situação, adquire tuberculose. Mas essa experiência fatídica resultará anos depois em dois escritos: Um incidente na vida de Makar, escrito em 1892, e, Como aprendi a escrever, publicado, muito mais tarde, em 1912.

Após sair da prisão em 1901, começa a escrever para teatro, escreve Pequenos Burgueses, peça teatral, a qual, segundo críticos atuais, se Gorki escrevesse hoje, não mudaria uma única palavra. O texto foi concebido em 1900, quando ainda se encontrava preso, e Gorki trabalhou algum tempo na peça, até que ela atingisse uma forma satisfatória. No início tinha o título de: Cenas em Casa dos Bessemov, Esboço Dramático em Quatro Atos. Na verdade, a peça não segue uma linha de ação única, mas é antes um mosaico de situações e personagens representativas da vida russa da época. As personagens de Pequenos Burgueses vivem num meio mesquinho, revelando-se quase sempre impotentes para vencer as barreiras desse meio. A impotência, em vários níveis, é o único elemento comum a todas elas. Cada um por seus motivos não consegue romper o asfixiante círculo familiar. A peça mostra o conflito entre os membros de uma família de comerciantes, dominada pela figura do pai autoritário que reprime os impulsos do filho intelectual e da filha deprimida. O único insurgente é o filho adotivo, o ferroviário Nill, que Gorki elege como uma espécie de operário do ano, isto é, um herói que vai conduzir a Rússia à revolução.

Ainda em 1901, em julho, escreve Ralé, peça em que a fala é menos pronunciável e os gestos reconstituídos que o intangível fluxo de almas humanas no interminável e escorregadio contato de uma com as outras. A peça reúne suas cambiantes sobre um foco definido e sua conclusão tem uma firmeza clássica. Em 1902 acontece a estréia de Pequenos Burgueses no Teatro de Arte de Moscou, e a peça obtém um grande sucesso, mesmo com os cortes impostos pela censura.

Solitude - Sérgio Brota

Comecei a ler no dia 14/01/2011 e acabei de ler no dia 15/01/2011.

"A viagem é uma forma privilegiada de acesso ao conhecimento; possibilita a reflexão e o crescimento pessoal. Por isso, quem tem alma de viajante procura a diferença, não a semelhança. E ser viajante é muito mais do que ser turista: é percorrer o mundo como uma criança , mastigar devagar alimentos que não se conhecem, experimentar sensações novas, ver tudo como se fosse a primeira vez; é deixar que outras pessoas e outras culturas nos emocionem e nos deixem mais ricos como seres humanos." Roland Barthes



Sérgio Brota nasceu em 1977. Um eterno apaixonado pelo tema das viagens, foi autor de vários projectos associados a mais de trinta países em quatro continentes e tem várias publicações e exposições fotográficas, de onde se destacam “Ventos de lá” e “A estação do frio” as mais reconhecidas, como freelancer. As viagens aconteceram por acaso. Hoje são um modo de vida e um vício e delas nasceu “Solitude”, um livro que conta histórias do mundo.
As fotografias, tal como as viagens são “companheiras que, no fundo, misturavam uma vontade profunda de correr para lugares improváveis, conhecer novas culturas e experiências de vida com o desejo de trazer momentos irrepetíveis”, lê-se no seu site. Do mundo que abraça, faz um lugar de conhecimento e de troca de experiências: “Quem viaja sozinho procura a diferença, não a semelhança. Torna-se, de um modo natural, mais compreensivo e, por isso, com muito mais possibilidades de ter boas experiências. Existe uma partilha diferente de quando viajamos com alguém conhecido, é uma partilha com quem nos cruzamos. Isso dá um sabor especial às experiências.”



Dos lugares desse mundo que diariamente se reinventa, realça dois: “A Patagónia, o sul da Argentina e do Chile, porque considero uma viagem lindíssima em termos de natureza. Os espaços são gigantescos, em especial para nós, que estamos habituados à ideia de espaço europeu, e absolutamente encantadores. Tem montanha, planícies, praia, neve, boa comida, bom vinho e excelentes pessoas. A outra viagem é o Transiberiano, e recordo-a sobretudo pelo desafio que deixa a cada pessoa que o faz. Não é uma viagem fácil mas é (quase) uma lição de vida, por tudo aquilo a que obriga a passar e, inevitavelmente, pela sua história.” Histórias, há muitas. Mas as que nascem do futebol têm um sabor especial: “As histórias mais giras costumam começar pelo futebol, curiosamente. Ao longo dos anos percebi a universalidade dessa linguagem, que Figo e Ronaldo são sempre dois bons inícios de conversa ou a melhor maneira de passarmos de desconhecidos a grandes-amigos-aos-quais-devemos-pagar-umas-bebidas e outras vezes confundirem-nos com o Nuno Gomes, também facilita o diálogo com Agentes de Fronteira mal-humorados. Houve muitas personagens engraçadas ao longo das viagens, muita mímica hilariante para perguntar a um vendedor à beira da estrada se o que vende é queijo de cabra ou de ovelha, para comunicar com um siberiano que veste uma t-shirt que diz ‘Algarve’ ou aprender a jogar Carrom Board num pequeno café de aldeia nos Himalaias … Quase todas as situações acabam numa foto com todos a rir. Acho que isso as torna giras, não é?”
Da primeira viagem, fala com um orgulho grande: “Lembro-me da viagem que deu o impulso decisivo para continuar, feita em conjunto com um grande amigo a um país absolutamente apaixonante, a Eslovénia. Na altura tínhamos pouca experiência nisto das viagens mas ainda assim decidimos sair à descoberta duma nação que tinha saído há pouco tempo de uma situação complicada [com os países da antiga Jugoslávia]. Juntamo-nos, viajamos de avião até à costa italiana e alugamos um carro, iniciando aí a descoberta e a aventura, que começou logo a partir da fronteira. Até essa data só conhecíamos a Europa, tínhamos perspectivas diferentes do mundo, mas ainda hoje ambos recordamos essa viagem muitas vezes de um modo muito especial.”

sexta-feira, janeiro 14, 2011

O Calafrio - Henry James

Li este livro no dia 13 de Janeiro de 2011.

«Uma jovem perceptora aceita um cargo que lhe parece vir a ser ideal: o de cuidar de duas crianças órfãs, de grande docilidade, beleza e inteligência. Mas a sua felicidade com o lugar que conseguiu em breve desvanecer-se. Especialmente quando vê pessoas estranhas a rondar a casa à procura de algo ou alguém. E especialmente quando vem a descobrir que essas pessoas estão mortas. »



Henry James (Nova York, 15 de abril de 1843 — Londres, 28 de fevereiro de 1916) foi um escritor norte-americano, naturalizado britânico em 1915. Uma das principais figuras do realismo na literatura do século XIX. Autor de alguns dos romances, contos e críticas literárias mais importantes da literatura de língua inglesa.

Filho do teólogo Henry James Senior e irmão do filósofo e psicólogo William James.

Seu pai era um homem culto, filósofo, e fazia questão que os filhos recebessem uma ótima educação. Por isso viajou com a família para a Europa, em 1855, quando Henry tinha 12 anos, e durante três anos percorreram Inglaterra, Suíça e França, visitando museus, bibliotecas e teatros.

Regressaram aos Estados Unidos em 1858, para viajar de novo a Genebra e Bonn no ano seguinte. Em 1860, já estavam de volta a Newport, onde Henry e William - o irmão mais velho que se tornaria psicólogo e filósofo - estudaram com o pintor William Morris Hunt.



Henry começou a carreira de direito em Harvard em 1862. Mais interessado na leitura de Balzac, Hawthorne e George Sand e nas relações com intelectuais como Charles Eliot Norton e William Dean Howels, abandonou o direito para se dedicar à literatura. Seus primeiros textos e críticas apareceram em alguns jornais.

No começo de 1869, foi à Inglaterra, Suíça, Itália e França, países que lhe forneceriam uma grande quantidade de material para suas obras. Regressou a Cambridge em 1875. Viveu um ano em Paris, onde conheceu o círculo de Flaubert (Daudet, Maupassant, Zola) e, em 1876, fixou-se em Londres, onde escreveu a maior parte de sua extensa obra.

A carreira literária de Henry James teve três etapas. A primeira foi na década de 1870, com "Roderick Hudson" (1876), "The American" (1877) e "Daisy Miller" (1879) e culminou com a publicação de "Retrato de Uma Senhora", em 1881, cujo tema é o confronto entre o novo mundo com os valores do velho continente.

Na segunda etapa, James experimentou diversos temas e formas. De 1885 até 1890, escreveu três novelas de conteúdo político e social, "The Bostonians" (1886), "The Princess Casamassima" (1886) e "The Tragic Muse" (1889), histórias sobre reformadores e revolucionários que revelam a influência da corrente naturalista.

Nos anos 1890-1895, chamados "os anos dramáticos", James escreveu sete obras de teatro, das quais duas foram encenadas, com pouco êxito. James voltou à narrativa com "A Morte do Leão" (1894), "The Coxon Fund" (1894), "The Next Time" (1895), "What Maisie Knew" (1897) e "Outra volta do parafuso" (1898).

As obras "The Beast in the Jungle" (1903), "The Great Good Place" (1900) e "The Jolly Corner" (1909), fazem parte da última etapa do trabalho de James, considerada por muitos críticos[quem?] como a mais importante, quando o autor explora o complexo funcionamento da consciência humana. Sua prosa torna-se densa, com a sintaxe cada vez mais intrincada. Essas características definem as três grandes obras dessa etapa final, "As Asas da Pomba" (1902), "Os Embaixadores" (1903) e "A Taça de Ouro" (1904).

Além dos romances, relatos curtos e obras de teatro, o autor deixou inúmeros ensaios sobre viagens, críticas literárias, cartas, e três obras autobiográficas. Os últimos anos da sua vida transcorreram em absoluto isolamento na sua casa, que só deixou em 1904 para regressar brevemente aos Estados Unidos depois de 20 anos de ausência.

Em 1915, com a Primeira Guerra Mundial, James adotou a cidadania britânica. Morreu aos 72 anos, pouco depois de receber a Ordem do Mérito britânica.

quarta-feira, janeiro 12, 2011

Alma de Viajante - Filipe Morato Gomes

Comecei a ler este livro no dia 11/01/2011 e acabei no dia 12/01/2011.

O livro é um relato apaixonante dos 14 meses desta viagem solitária à volta do mundo que, semana após semana, o Jornal Público editou com o título "volta ao Mundo", no seu suplemento "Fugas" . Mais do que um relato de viagem, este livro é uma viagem de emoções.



Filipe Morato Gomes é o fundador e actual editor do site de viagens Alma de Viajante. Nasceu no Porto, corria o ano de 1971, e costuma dizer que é uma mescla de jornalista de viagens, designer gráfico, e viajante. Dedica-se, actualmente, a viajar - ofício a que, convenhamos, custa chamar profissão. Mas escreve e fotografa - coisa mais “digna” -, registos que vai publicando em revistas de viagens em Portugal e no Brasil, para além do referido espaço online. Em 2007, editou o homónimo livro “Alma de Viajante”, resultado final de uma volta ao mundo com 14 meses de duração.




Site: http://www.almadeviajante.com

terça-feira, janeiro 11, 2011

Uma Ideia da India - Alberto Moravia

Comecei a ler este livro no dia 08/01/2011 e acabei no dia 10/01/2011.

“A Índia não é um país bonito como, por exemplo, a Itália, nem pitoresco como, por exemplo o Japão. A Índia é um continente em que são dignos de interesse, sobretudo, os aspectos humanos. Desse ponto de vista, a Índia é com certeza a nação mais original de toda a Ásia, pelo menos para nós, europeus, que logo tentamos descobrir semelhanças e afinidades que procuraremos em vão na China ou no Japão. A aventura política, social, religiosa e artística daquele ramo da estirpe nórdica que, em vez de se dirigir para a Europa, desceu ao subcontinente, é plena de fascínio e de ensinamentos para os europeus. Diríamos mesmo que não se pode compreender por completo a civilização europeia se não se conhecer a Índia.”



Alberto Moravia, pseudônimo de Alberto Pincherle (Roma, 28 de novembro de 1907 — Roma, 26 de setembro de 1990) foi um escritor e jornalista italiano. O nome Moravia como será conhecido mundialmente era de sua avó paterna. Seu pai,Carlo Pincherle Moravia, arquiteto e pintor era nascido em Veneza, de uma família judaica. Sua mãe, Teresa Iginia De Marsanich, era de Ancona .

Quando jovem, Moravia sofreu de tuberculose e teve de passar uma significativa parte de sua adolescência em convalescência, tendo sido prejudicado nos estudos.



Começou escrevendo para a revista 900 onde publicou seu primeiro conto. Escreveu sua primeira novela,Os Indiferentes em 1929. Trabalhou durante muitos anos no jornal Il Corriere della Sera, tendo viajado para a Inglaterra, onde morou dois anos, aos Estados Unidos, México e China.

Em Abril de 1945 casa-se com Elsa Morante. Autor considerado persona non grata pelo regime fascista de Mussolini, é obrigado a trabalhar como roteirista cinematográfico sob outro nome, por causa das leis raciais vigentes. No pós-guerra, volta a trabalhar como escritor e roteirista,conhecendo Pier Paolo Pasolini e também começa a trabalhar como crítico cinematográfico no L'Expresso. Foi também eleito representante da Itália no Parlamento europeu, por uma lista do PCI, de 1984 até sua morte.

O Mundo é Fácil - Gonçalo Cadilhe

Comecei a ler este livro no dia 4/01/2011 e acabei no dia 07/01/2011.

Desde há cinco anos que as viagens de Gonçalo Cadilhe apaixonam os leitores. Desta vez, e porque a sua experiência assim o permite, o viajante-escritor mais popular da actualidade apresenta um guia de viagens único e imprescindível que se vai revelar da maior utilidade na mala de qualquer turista ou viajante mais ou menos ousado. O Mundo é Fácil partilha com o leitor as dicas para a viagem perfeita e inesquecível. Sozinho ou acompanhado, antes de partir, durante e no final da viagem, saiba o que pode encontrar e o que é fundamental levar. Seja por três dias ou seis meses aprenda todos os pormenores sobre a arte de bem viajar. Tranquilo ou radical, aqui ou no Extremo-Oriente, este é o guia que não pode deixar de fazer parte da bagagem da sua próxima viagem.




Gonçalo Cadilhe nasceu na Figueira da Foz em 1968, onde reside habitualmente. Precisou de uma licenciatura em Gestão de Empresas e de sete meses a picar o ponto para compreender que não tinha percebido nada da vida: tudo o que lhe interessava se encontrava na direcção oposta. Despediu-se do emprego, da família e do país e começou a viajar e a escrever. Iniciou a actividade de jornalista independente na Grande Reportagem, colaborando actualmente com o Expresso. Ao longo de uma deliciosa carreira que não o levou ainda a lado nenhum, para sua grande felicidade, excepto aos lugares mais remotos do planeta, continua a guiar a sua actividade literária pelo princípio sagrado de escrever para comer.


terça-feira, janeiro 04, 2011

1 Km de Cada Vez - Gonçalo Cadilhe

Comecei a ler este livro no dia 31/12/2010 e acabei no dia 03/01/2011.

Não há maior liberdade do que viajar ao sabor do tempo.

Neste novo livro de textos inéditos, o viajante apresenta ao leitor as suas impressões sobre as suas mais recentes andanças. Durante quinze meses, andou sem pressas e sem datas por destinos tão fabulosos e longínquos como as Galápagos, o Sudeste Asiático, a América Central, a África Austral, a Polinésia, as Caraíbas ou a Oceânia.



E, de terra em terra, entre um abraço e uma despedida, Gonçalo Cadilhe partilha com o leitor os encontros, os lugares, as leituras, os contratempos e as alegrias de uma viagem em slow-motion pelas estradas de um planeta sem segredos para o viajante mais determinado da actualidade.

Excerto
«Não sei como estará a madrugada dentro de umas horas em Poon Hill. Deve estar completamente encoberta. A muralha exuberante das montanhas mais altas do planeta permanecerá ocultada por uma cortina de nuvens. Para muitos caminhantes que chegaram de todo o mundo será uma experiência frustrante. Para mim, uma revelação: volta sempre ao lugar onde foste feliz, Gonçalo. Mas à procura de outros tipos de felicidade, que aconteçam a outras horas do dia.»



Gonçalo Cadilhe nasceu na Figueira da Foz em 1968, onde reside habitualmente. Precisou de uma licenciatura em Gestão de Empresas e de sete meses a picar o ponto para compreender que não tinha percebido nada da vida: tudo o que lhe interessava se encontrava na direcção oposta. Despediu-se do emprego, da família e do país e começou a viajar e a escrever. Iniciou a actividade de jornalista independente na Grande Reportagem, colaborando actualmente com o Expresso. Ao longo de uma deliciosa carreira que não o levou ainda a lado nenhum, para sua grande felicidade, excepto aos lugares mais remotos do planeta, continua a guiar a sua actividade literária pelo princípio sagrado de escrever para comer.

segunda-feira, janeiro 03, 2011

Em Nome da Memória - Ann Brashares

Comecei a ler este livro no dia 24/12/2010 e acabei no dia 30/12/2010.

Daniel passou vários séculos a apaixonar-se pela mesma rapariga. Vida após vida, atravessando continentes e dinastias, ele e Sophia (apesar de ela mudar de nome e forma) têm sido atraídos um para o outro, e ele lembra-se de tudo. Daniel tem «a memória», a capacidade de recordar vidas passadas e reconhecer as almas daqueles com quem viveu anteriormente. É um dom e uma maldição. Por todas as vezes que ele e Sophia estiveram juntos ao longo da história, também foram afastados dolorosamente, fatalmente. Um amor sempre demasiado curto.



Intercalados na actual relação de Sophia e Daniel há vislumbres da sua longa história juntos. Da Ásia Menor em 552 à Inglaterra de 1918 e à Virgínia de 1972, as duas almas partilham um longo e, por vezes, tortuoso caminho de busca contínua uma pela outra. Mas quando a jovem Sophia (agora «Lucy» no presente) começa finalmente a despertar para o segredo do seu passado em comum, a compreender a verdadeira razão da intensidade da sua atracção, a força misteriosa que sempre os afastou reaparece. Em última análise, têm de compreender o que se atravessa no caminho do seu amor para poderem passar a vida juntos.
Em Nome da Memória, uma história mágica de amor verdadeiro, devastadora e cheia de suspense, prova o poder e a resistência de uma união que estava destinada a ser.

Ann Brashares é autora dos bestsellers juvenis Quatro Amigas e um Par de Calças, O Segundo Verão das Quatro Amigas e um Par de Calças, O Terceiro Verão das Quatro Amigas e um Par de Calças, Amigas para a Vida e Forever in Blue, com mais de oito milhões de leitores. A Quinta Essência publicou anteriormente O Último Verão, bestseller do New York Times, que apresentava um novo grupo de personagens e de relacionamentos adultos, tão encantadores quanto inesquecíveis. Ann Brashares vive em Manhattan e passa os Verões em Fire Island, Nova Iorque.