Insecta Shoes

segunda-feira, janeiro 17, 2011

Solitude - Sérgio Brota

Comecei a ler no dia 14/01/2011 e acabei de ler no dia 15/01/2011.

"A viagem é uma forma privilegiada de acesso ao conhecimento; possibilita a reflexão e o crescimento pessoal. Por isso, quem tem alma de viajante procura a diferença, não a semelhança. E ser viajante é muito mais do que ser turista: é percorrer o mundo como uma criança , mastigar devagar alimentos que não se conhecem, experimentar sensações novas, ver tudo como se fosse a primeira vez; é deixar que outras pessoas e outras culturas nos emocionem e nos deixem mais ricos como seres humanos." Roland Barthes



Sérgio Brota nasceu em 1977. Um eterno apaixonado pelo tema das viagens, foi autor de vários projectos associados a mais de trinta países em quatro continentes e tem várias publicações e exposições fotográficas, de onde se destacam “Ventos de lá” e “A estação do frio” as mais reconhecidas, como freelancer. As viagens aconteceram por acaso. Hoje são um modo de vida e um vício e delas nasceu “Solitude”, um livro que conta histórias do mundo.
As fotografias, tal como as viagens são “companheiras que, no fundo, misturavam uma vontade profunda de correr para lugares improváveis, conhecer novas culturas e experiências de vida com o desejo de trazer momentos irrepetíveis”, lê-se no seu site. Do mundo que abraça, faz um lugar de conhecimento e de troca de experiências: “Quem viaja sozinho procura a diferença, não a semelhança. Torna-se, de um modo natural, mais compreensivo e, por isso, com muito mais possibilidades de ter boas experiências. Existe uma partilha diferente de quando viajamos com alguém conhecido, é uma partilha com quem nos cruzamos. Isso dá um sabor especial às experiências.”



Dos lugares desse mundo que diariamente se reinventa, realça dois: “A Patagónia, o sul da Argentina e do Chile, porque considero uma viagem lindíssima em termos de natureza. Os espaços são gigantescos, em especial para nós, que estamos habituados à ideia de espaço europeu, e absolutamente encantadores. Tem montanha, planícies, praia, neve, boa comida, bom vinho e excelentes pessoas. A outra viagem é o Transiberiano, e recordo-a sobretudo pelo desafio que deixa a cada pessoa que o faz. Não é uma viagem fácil mas é (quase) uma lição de vida, por tudo aquilo a que obriga a passar e, inevitavelmente, pela sua história.” Histórias, há muitas. Mas as que nascem do futebol têm um sabor especial: “As histórias mais giras costumam começar pelo futebol, curiosamente. Ao longo dos anos percebi a universalidade dessa linguagem, que Figo e Ronaldo são sempre dois bons inícios de conversa ou a melhor maneira de passarmos de desconhecidos a grandes-amigos-aos-quais-devemos-pagar-umas-bebidas e outras vezes confundirem-nos com o Nuno Gomes, também facilita o diálogo com Agentes de Fronteira mal-humorados. Houve muitas personagens engraçadas ao longo das viagens, muita mímica hilariante para perguntar a um vendedor à beira da estrada se o que vende é queijo de cabra ou de ovelha, para comunicar com um siberiano que veste uma t-shirt que diz ‘Algarve’ ou aprender a jogar Carrom Board num pequeno café de aldeia nos Himalaias … Quase todas as situações acabam numa foto com todos a rir. Acho que isso as torna giras, não é?”
Da primeira viagem, fala com um orgulho grande: “Lembro-me da viagem que deu o impulso decisivo para continuar, feita em conjunto com um grande amigo a um país absolutamente apaixonante, a Eslovénia. Na altura tínhamos pouca experiência nisto das viagens mas ainda assim decidimos sair à descoberta duma nação que tinha saído há pouco tempo de uma situação complicada [com os países da antiga Jugoslávia]. Juntamo-nos, viajamos de avião até à costa italiana e alugamos um carro, iniciando aí a descoberta e a aventura, que começou logo a partir da fronteira. Até essa data só conhecíamos a Europa, tínhamos perspectivas diferentes do mundo, mas ainda hoje ambos recordamos essa viagem muitas vezes de um modo muito especial.”

Sem comentários: