Insecta Shoes

segunda-feira, abril 30, 2012

Abraça-me - Claudio Ramos

Comecei a ler este livro no dia 22/02/2012 e acabei no di 22/02/2012.

«A televisão estava desligada e conseguia ouvir um vento encrespado que soprava e entrava pela fresta das janelas ainda nuas de cortinas. O barulho parava quando o vento era encurralado por algum papelão. Estava ali parado no tempo e dava-me conta que o tempo corria muito depressa. Há quem diga que “o tempo é o que se faz com ele”. Gostava tanto de ter feito do nosso tempo uma história mais bonita e muito mais feliz...»

«Adormeço ao som de uns carros que vão passando de longe a longe e do vasculho dos homens da junta que tentam varrer as ruas molhadas e enfeitadas com as folhas verdes que caíram com a força da chuva. Fecho os olhos e sinto o tempo escorrer-me pelas mãos ao som de um tic-tac que o despertador vai fazendo. Nunca fazemos isso, mas já viste que o tempo pode sentir-se se ouvires cada segundo a passar. Não lhe damos valor, mas cada segundo que passa é menos um segundo que temos e leva com ele tantas coisas. Tantas coisas que cabem num segundo e que ficaram lá atrás, irremediavelmente aprisionadas no passado.»

«A nossa casa é o nosso porto de abrigo. Acho que é só em casa que na realidade somos verdadeiros e autênticos. Sempre fizemos muita questão de ter o nosso canto, feito à nossa medida e recheado de recordações, não foi Marta? Atravesso a sala e rumo ao quarto do Gabriel, tão colorido, uma verdadeira bagunça, brinquedos por todo o lado. Nunca sei muito bem se ele está arrumado ou por arrumar. Com os pés, afasto meia dúzia de carros telecomandados e tento pendurar na parede, por cima da cama dele, a fotografia onde estamos os três na praia. Ele tem aqui no quarto várias fotos tuas, mas nenhuma tão grande como esta. Não vou insistir, mas se ele me perguntar conto-lhe a história deste dia.»

1 comentário:

Eu! disse...

Obrigado!