Insecta Shoes

quinta-feira, março 11, 2010

Fahrenheit 451 - Bradbury, Ray

Comecei a ler este livro no dia 05 de março de 2010 e acabei no dia 06 de Março de 2010.

Fahrenheit 451 é um romance distópico de ficção científica soft, escrito por Ray Bradbury e publicado pela primeira vez em 1953. O conceito inicial do livro começou em 1947 com o conto "Bright Phoenix" (que só seria publicado na revista Magazine of Fantasy and Science Fiction em 1963).[1]O conto original foi reformulado na novela The Fireman, e publicada na edição de fevereiro de 1951 da revista Galaxy Science Fiction. A novela também teve seus capítulos publicados entre março e maio de 1954 em edições da revista Playboy.[2] Escrito nos anos iniciais da Guerra Fria, o livro é uma crítica ao que Bradbury viu como uma crescente e disfuncional sociedade americana.

O romance apresenta um futuro onde todos os livros são proibidos, opiniões próprias são consideradas anti-sociais e hedonistas, e o pensamento crítico é suprimido. O personagem central Guy Montag, trabalha como “bombeiro”(o que na história significa “queimador de livro”). O número 451 refere-se à temperatura (em Fahrenheit) a qual o papel ou o livro incendeia. Uma versão do filme foi lançado em 1966, e se prevê uma segunda versão do filme para 2008. No mínimo duas dramatizações foram transmitidas pela BBC Radio 4, ambas seguiram fielmente ao livro.

Através dos anos, o romance foi submetido à várias interpretações primeiramente focadas na queima de livros pela supressão de idéias dissidentes. Bradbury havia declarado que o romance não trata de censura, ele declara que Fahrenheit 451 é uma história sobre como a televisão destrói o interesse na leitura.

Ray Bradbury declarou que todo o romance foi escrito nos porões da biblioteca Powell, localizada na Universidade da Califórnia em uma máquina de escrever alugada. A sua intenção original em escrever Fahrenheit 451 era mostrar seu grande amor por livros e bibliotecas. Ele freqüentemente se refere a Montag como uma alusão a ele mesmo.

Fahrenheit é contado em um futuro inespecífico em uma América hedonista e anti- intelectual que perdeu totalmente o controle. Recheada de ilegalidade nas ruas, desde jovens jogando carros contra pessoas apenas por divertimento, ao bombeiro ajustando seu cão de caça mecânico para caçar animais em suas tocas, apenas pelo simples e grotesco prazer de assisti-los morrer. Qualquer um que é pego lendo livros é, no mínimo, confinado em um hospício. Quanto aos livros, são considerados ilegais e, uma vez encontrados na posse de alguém, são queimados pelos "bombeiros". Os livros ilegais achados são principalmente obras famosas como Whitman, Faulkner e outros. O protagonista, Guy Montag, é um bombeiro que, seguindo a profissão de seu pai e de seu avó, tem certeza de que seu trabalho (queimar livros e a casa que os abrigam, bem como perseguir as pessoas que os detem) – é a coisa mais certa a fazer. Ele lembra-se particularmente de uma ocasião de sua infância, quando faltou luz e sua mãe acendeu uma vela: no escuro, a vela proporcionou uma luz estranha, mas na qual Montag se sentiu seguro e confortável.

Uma noite, voltando de seu trabalho, ele encontra sua nova vizinha, Clarisse McClellan, cujo livre-pensamento e espírito questionador o estimula a reconsiderar seu próprio estilo de vida, seus ideais, e sua noção de felicidade.

Depois do encontro com Clarisse, Montag volta para casa e encontra sua esposa, Mildred, dormindo (em camas separadas) com um frasco vazio de comprimidos (português europeu) ou pílulas (português brasileiro)ao seu lado. Ele liga para ajuda médica, e dois técnicos são mandados para sugar o sangue de Mildred com uma máquina e inserir um novo nela. O total descuido dos técnicos com Mildred faz Montag repensar a situação de sua atual sociedade.

No dia seguinte, enquanto revistava a casa repleta de livros de uma senhora para depois incendiá-la, Montag acidentalmente lê uma linha de um de seus livros, a qual dizia: “O tempo adormeceu sobre o sol da tarde”. Esse trecho o incita a roubar o livro por pura curiosidade, e muitos outros mais tarde. A mulher que se recusa a deixar a casa e seus livros prefere riscar um fósforo e queimar junto com eles, agonizando na combustão. Isso perturba grandemente Montag, que se pergunta porque alguém cometeria suicídio por livros que, ao menos para ele, eram inúteis.

Quando volta para casa achando estar doente, obviamente perturbado com o suicídio da mulher, ele recebe a visita do seu chefe, o Capitão Beatty, que lhe explica as importâncias político-sociais de um bombeiro. O Capitão diz que a sociedade, em sua procura pela felicidade, suprimiu a literatura por um ato de auto-censura e o governo meramente tirou vantagem disso. Beatty diz que eventualmente um bombeiro rouba um livro por curiosidade, mas, se devolvido em 24 horas, tudo ficava bem. Mais tarde, Montag discute com sua mulher sobre os livros, demonstrando seu crescente desgosto por ela e por sua sociedade.

Mais tarde é revelado que Montag escondia dúzias de livros dentro do túnel do climatizador de sua casa, os quais ele tentava memorizar para preservar seu conteúdo, mas falhava porque as palavras simplesmente eram esquecidas de sua memória rapidamente. Necessitando de alguém que o ajudasse, recorda de um homem que encontrou uma vez: Faber, um professor de inglês. O qual começa a lhe ensinar sobre a importância dos livros e do esforço da literatura em tentar conseguir racionalizar a existência humana. Ele também dá a Montag uma escuta onde eles podem se comunicar ao longo dos dias.

Montag retorna ao posto de bombeiros onde trabalha e entrega a Beatty um livro. Durante um jogo de cartas, Beatty fala a Montag ter sonhado que discutiam bravamente com argumentos literários. Beatty também faz várias citações de livros mostrando um surpreendente conhecimento literário, para tentar provar a Montag a confusão de mensagens que os livros podem apresentar. Então soa o alarme da companhia, avisando uma próxima casa a ser queimada. Beatty teatralmente guia sua equipe e para em frente à casa de Montag. Ele revela que sabia todo o tempo de seus livros escondidos, e ordena que o próprio Montag queime sua casa. Montag vê Mildred, que delatou seu segredo, fugindo em um táxi. Com ordem de prisão, Montag queima os livros, mas não contente, queima também os televisores e outras lembranças de sua vida passada. Quando Beatty descobre a escuta de Faber, ele ameaça Montag e isso o deixa transtornado, fazendo-o atear fogo em Beatty e agredir dois outros bombeiros, e por esses crimes logo começa a ser perseguido pelas autoridades, inclusive por um cão-polícia mecânico.

Montag escapa para a casa de Faber, e lá é aconselhado a procurar alguns refugiados que vivem em um lugar fora da cidade onde seria difícil de ser achado. Faber esclarece que tais refugiados são foragidos diplomados de diversas universidades, e que talvez o pudessem ajudar. Montag decide partir ao encontro deles antes que, de acordo com Faber, uma possível guerra tome curso. Lavando-se no meio do caminho para não deixar vestígios para o cão-polícia, ele joga-se rio abaixo onde, mais tarde, encontra o grupo de refugiados. Para a surpresa de Montag, eles contam que criaram uma técnica para salvar os livros: cada refugiado memoriza um livro, conservando seu conteúdo palavra por palavra, queimando-o em seguida para que não seja descoberto; posteriormente, tal memória é repassada a um aprendiz que, após a morte daquele que decorou a obra, prosseguirá com a tradição, até o dia em que os livros não sejam mais proibidos e o que foi memorizado possa ser, novamente, transcrito na forma de um livro. O líder do grupo, Ganger, discursa sobre a legendária fênix e seu infinito ciclo de vida, morrendo nas chamas e renascendo, acrescentando que a fênix tem alguma semelhança com a humanidade, constantemente cometendo erros e não aprendendo com o passado, entretanto o homem poderia aprender ao contrário da condenada fênix.

A essa hora, a guerra já havia começado. Montag vê jatos sobrevoando acima de sua cabeça, para bombardear a cidade. A sua mulher Mildred estaria provavelmente morta, enquanto Faber estaria fora da cidade para tentar encontrar um amigo que teria uma gráfica, para poderem no futuro imprimir alguns livros. Pela TV, fica subentendido que as outras cidades do país também estão entrando igualmente em colapso. É falado que as bombas seriam nucleares, o que dá um tom irônico em um mundo que persegue idéias queimando-as, acabar queimando a si mesmo. Aqui entende-se uma referência à Guerra Fria. No momento da explosão, o stress e a emoção de ver a cidade queimando faz Montag lembrar-se de uma passagem bíblica na hora.

O romance é encerrado com leve tom otimista. É dito que a sociedade que Montag conheceu foi quase totalmente dizimada, e uma nova sociedade estaria nascendo de suas cinzas, com um destino ainda desconhecido. Nesse novo mundo, as pessoas que liam livros de forma outrora oculta começam a revelar-se, explicando a todos os demais de onde vieram de que forma o conhecimento que detem poderá transformar a vida de todos de forma positiva.

Guy Montag é o bombeiro protagonista da história. Sua "metamorfose" é ilustrada através da história mostrando claramente a distopia aos olhos, ora de um leal trabalhador, outrora de um homem em conflito e um outro já totalmente liberto psicologicamente. Bradbury menciona no epílogo que, após a publicação do livro, ele descobriu que Montag (pronunciada do mesmo jeito que o nome do personagem) era o nome de uma companhia que fabricava fogões.

Faber é um professor formado em Inglês que representa todos aqueles que sabem o que está sendo feito de errado, mas que também tem medo de agir. Bradbury cita que Faber é parte do nome de uma fábrica de lápis alemã, Faber-Castell.

Mildred Montag é a esposa de Montag. Ela tenta esconder seu vazio interior e medo de questionar seu ambiente ou a si mesma, com conversas inexpressivas, sem sentido e com imensas telas de televisão dentro de sua casa. Ela constantemente tenta alcançar um estado de felicidade, mas intimamente é sempre infeliz. Mildred tenta se suicidar no começo do livro se dosando com altas doses de pílulas para dormir. Ela é usada simbolicamente como o oposto de Clarisse McClellan. Ela no filme de 1966 de Truffaut é conhecida como Linda Montag.

Clarisse McClellan apresenta todas as características contrárias de Mildred. Ela é extrovertida, alegre, heterodoxa e intuitiva. Propondo a pergunta "porquê?" a Montag, ela o faz despertar para o seu auto-questionamento. Ela é impopular para outras pessoas, e malvista pelos professores por (como Capitão Beatty disse) perguntar "porquê" ao invés de "como", dedicando-se à natureza ao invés da tecnologia. Montag sempre considerou ela como singular até ela desaparecer, o livro não dá maiores explicações do motivo. É dito que o Capitão Beatty e Mildred sabem que Clarisse foi morta por um carro. O seu comportamento é semelhante a de Leonard Mead da short story de Bradbury, The Pedestrian. Seu tio, que provavelmente a ensinou a pensar daquele jeito, talvez seja uma alusão a essa short story, sendo que em Fahrenheit 451, ele é preso por andar como um "pedestre".

Capitão Beatty é o chefe de Montag e do corpo de bombeiros. Um ávido leitor, mas tragédias em sua vida fizeram-no odiar livros. Ele detesta os livros e os fatos que neles se contradizem e se contestam. Em uma cena escrita anos depois por Bradbury, ele convida Guy Montag para conhecer sua casa, onde mostra suas paredes cheias de livros, onde ele deixa eles lá para servir apenas de moldura nas prateleiras.

Granger é o líder do grupo de intelectuais exilados que tentam preservar os livros que lêem memorizando-os. Enquanto Beatty destrói, ele preserva; enquanto Beatty usa o fogo para queimar livros, ele usa com o propósito de se aquecer. A aceitação de Montag em seu grupo, é considerada o estágio final da metamorfose que o ex-bombeiro passa: deixando de seguir os valores de Beatty, de tranqüilidade e felicidade, e seguir seus próprios valores de amor ao conhecimento.

Cão de caça mecânico (Sabujo) existe somente no livro, não aparecendo no filme de 1966. É uma máquina de oito patas desprovida de sentimentos, ele pode ser programado para caçar e matar livre-pensadores seguindo-os apenas por seu olfato. Pode se lembrar de até 10.000 outros cheiros. Ele é focado somente na destruição que ele é programado. No se focinho, tem uma prosbócide que pode injetar quantidades letais de morfina e procaína em sua presa. Embora Montag tenha sobrevivido a uma dessas injeções, assim mesmo ele sofre enorme dor, mas apenas por um período curto de tempo. O primeiro cão visto na história, é encontrado quando Montag põe fogo nele com seu lança-chamas. O segundo é programado a encontrar um homem chamado Montag que serviu para o divertimento das pessoas que assistiam à perseguição dele pela televisão. Ray Bradbury declarou no seu epílogo que seu "cão de caça mecânico", seria seu clone da grande fera dos Baskerville. Refere-se aqui, ao romance de Sir Arthur Conan Doyle: O Cão dos Baskerville do famoso detetive Sherlock Homes.

Amigas de Mildred (Sra.Bowles e Sra. Phelps) representam um retrato da sociedade adormecida, no romance. Elas são exemplos de pessoas que são infelizes, mas não sabem que são. Quando Montag lê Dover Beach de Matthew Arnold, que simboliza a dor e a felicidade passada por elas, a Sra Phelps é dominada por uma emoção que ela nunca havia sentido antes.

Ray Douglas Bradbury (Waukegan, 22 de agosto de 1920) é um escritor de contos de ficção-científica norte-americano de ascendência sueca. Foi o terceiro filho de Leonard e Esther Bradbury, por causa do trabalho de seu pai (Técnico em instalação de linhas telefônicas), viajou por muitas cidades dos EUA, até que em 1934 sua família fixou residência em Los Angeles, Califórnia.

Bradbury é mais conhecido pelas suas obras The Martian Chronicles (Crônicas Marcianas) (1950) e Fahrenheit 451 (1953).

1 comentário:

Cristiane disse...

Gostei da sua resenha. Embora tenha se extendido ao contar a história toda. Foi bom ter citado a história do livro, como conto, antes de Fahrenheit, era o que eu estava procurando. Entrentato, gostaria de saber a que fontes se atribuem as declarações de Bradbury a respeito do livro. Muitos resenhistas tem se repetido neste aspecto, sem, no entanto, citar a fonte. Assim ficamos sem saber se ele realmente falou isso. De qualquer forma é uma boa resenha. Até mais:)