Insecta Shoes

segunda-feira, agosto 17, 2009

No Teu Deserto - Miguel Sousa Tavares

1) Como só tinha leva um livro para ler nas minhas ferias na China (pensando que dava para as ferias todas :)...)
2) Como o tinha terminado uns dias antes das ferias terminarem ...
3) Como na China os livros todos estão escritos em Chinês!!! rsrsrsr...
4) e como eu não aguentava passar a viagem de avião (12 horas!!!! por sinal!!! são muitas horas fechada e sentada ...) sem nada para ler!!!, desabafei com a minha companheira de quarto:
- Estou mesmo triste!!!
- Então?? O que se passa???
- Acabei de ler o meu livro... :( e agora não tenho nada para ler :(!!!
- Não há problema!!! Lês o meu livro!!! Toma!
- Mas está a meio do livro!!! Deixe estar.
- Não faz mal!! Lê-o!!

P.S.: Obrigada "mother"!!!;)

E foi assim que aconteceu.. foi assim que fiquei com este livro do Miguel Sousa Tavares para ler!!! Hupiii!!! Foi o primeiro livro que li dele.
Já tinha comprado para oferecer o livro "Equador", mas ainda não tinha tido oportunidade para ler nenhum livro deste escritor.

Comecei a ler o livro no dia 06/08/2009 e acabei no dia 08/08/2009, na viagem de avião de regresso a Portugal!

Depois de "Equador" e "Rio das Flores", ambos campeões de vendas em Portugal, Miguel Sousa Tavares regressa com um novo romance, que promete conquistar os leitores este Verão!



Excerto
“Esta história que vos vou contar passou-se há vinte anos. Passou-se comigo há vinte anos e muitas vezes pensei nela, sem nunca a contar a ninguém, guardando-a para mim, para nós que a vivemos. Talvez tivesse medo de estragar a lembrança desses longínquos dias, medo de mover, para melhor expor as coisas, essa fina camada de pó onde repousa, apenas adormecida, a memória dos dias felizes.”

«Éramos donos do que víamos: até onde o olhar alcançava, era tudo nosso. E tínhamos um deserto inteiro para olhar.»

«Ali estavas tu, então, tão nova que parecias irreal, tão feliz que era quase impossível de imaginar. Ali estavas tu, exactamente como te tinha conhecido. E o que era extraordinário é que, olhando-te, dei-me conta de que não tinhas mudado nada, nestes vinte anos: como nunca mais te vi, ficaste assim para sempre, com aquela idade, com aquela felicidade, suspensa, eterna, desde o instante em que te apontei a minha Nikon e tu ficaste exposta, sem defesa, sem segredos, sem dissimulação alguma.»

«Parecia-me que já tínhamos vivido um bocado de vida imenso e tão forte que era só nosso e nós mesmos não falávamos disso, mas sentíamo-lo em silêncio: era como se o segredo que guardávamos fosse a própria partilha dessa sensação. E que qualquer frase, qualquer palavra, se arriscaria a quebrar esse sortilégio.»

«Eu sei que ela se lembra, sei que foi feliz então, como eu fui. Mas deve achar que eu me esqueci, que me fechei no meu silêncio, que me zanguei com o seu último desaparecimento, que vivo amuado com ela, desde então. Não é verdade, Cláudia. Vê como eu me lembro, vê se não foram assim, passo por passo, aqueles quatro dias que demorámos até chegar juntos ao deserto.»


Miguel Sousa Tavares

Jornalista português, Miguel Sousa Tavares nasceu no Porto, sendo filho da poetisa Sophia de Mello Breyner e do advogado e jornalista Francisco de Sousa Tavares. Depois de se ter licenciado em Direito, exerceu advocacia durante doze anos, mas abdicou definitivamente desta profissão para se dedicar em exclusivo ao jornalismo.




Miguel Sousa Tavares tem vários livros publicados, quase todos de crónicas. O primeiro, Sahara, a República da Areia, foi editado em 1985 e constava de uma reportagem. Seguiu-se, dez anos depois, uma colecção de escritos políticos chamado Um Nómada no Oásis e O Segredo do Rio e, em 1997, um conto infantil. Em 1998, saiu o livro de crónicas de viagens intitulado Sul e, em 2001, Não te Deixarei Morrer David Crockett, que reuniu os escritos da revista Máxima.

Miguel Sousa Tavares estreou-se no romance com a obra Equador, que, editado pela primeira vez em 2003, vendeu mais de 250 mil exemplares, tendo sido reeditado no mesmo ano. O sucesso desta obra foi tão grande que, posteriormente, acabaria por ser lançada a nível internacional (Brasil, Holanda, Alemanha, República Checa, Espanha e América Latina). Em Outubro de 2007 publica Rio das Flores, com uma primeira tiragem de 100 mil exemplares.

4 comentários:

Paula disse...

Gosto da escrita de Miguel Sousa Tavares. Li o Equador, gostei muito. Rio de Flores gostei menos, simplesmente porque achei que tinha muita pesquisa e pouco enredo e adorei no Teu Deserto. É um livro pequeno quase poético :)

De Miguel Sousa Tavares é que gosto bem menos, porque querendo mostrar muitas vezes a sua liberdade de expressão acaba excedendo-se de maneira arrogante e sem maneiras :P

Abraços

Moura Aveirense disse...

Gostei bastante do livro, li-o em menos de 24 horas, excelente para um dia de Verão! :) Também gostei mais do "Equador" que do "Rio de Flores".

Espero que a viagem à China tenha sido inspiradora. Gostaria muito de conhecer!

Boas férias (se for o caso),

Moura Aveirense

Borboleta disse...

As férias já acabaram :(!!! Foram mesmo só as duas semanas que estive na China!!! E sim a viagem foi muito inspiradora!! Gostei muito... foi pena é ter sido pouco tempo para tanta coisa!!

Mas deu para conhecer e o Mundo é tão grande... que ainda me falta conhecer muita coisa!!! era preciso ter 200 anos para conhecer o mundo todo ;)!!!

Beijinhos

Anónimo disse...

LI OS VOSSOS COMENTARIOS,E ACHEI POR BEM CONVIDÁ-LOS A LER «SUL»,QUE
É PARA MIM O MELHOR DE «MST».
NÃO PRECISAM NEM DE APANHAR O AVIÃO,É UMA VIAGEM FANTÁSTICA A VÁRIOS PAÍSES,E COM BELAS FOTOS.
UM CONSELHO DE

MARIA JOSE FERREIRA.