Insecta Shoes

quinta-feira, fevereiro 26, 2009

Novo Visual

A primavera está a chegar, os dias estão a ficar maiores, e mais quentes também… as flores já estão a desabrochar, já foram avistadas andorinhas, já se começam a ver algumas pessoas de T-shirt (o que eu acho um exagero, não está assim calor para tanto) e eu já estava cansada do template que tinha que só me fazia lembrar o tempo da chuva, então decidi mudar o esquema do blog e adequar o template para a chegada da PRIMAVERA … por isso vamos todos chamar por ela !!!

P.S. Gostava da vossa opinião sobre este novo template

segunda-feira, fevereiro 23, 2009

The Call - Regina Spektor



Ontem à noite estive a ver o filme The Chronicles of Narnia: Prince Caspian, e no filme passou esta musica...e eu fiquei apaixonada... é linda!!!

And the Oscar goes to...



Slumdog Millionaire - Quem Quer Ser Bilionário?



1 - Melhor Filme
2 - Melhor Realização: DANNY BOYLE
3 - Melhor Argumento Adaptado: SIMON BEAUFOY
4 - Melhor Fotografia: ANTHONY DOD MANTLE
5 – Melhor Som
6 – Melhor Montagem
7 - Melhor Orquestração
8 - Melhor Canção Original - Jay Ho




The Curious Case Of Benjamin Button - O Estranho Caso de Benjamin Button



1 - Melhor Direcção Artística
2 - Melhor Caracterização
3 - Melhores Efeitos Visuais

Milk - Milk



1 - Melhor Actor: SEAN PENN
2 - Melhor Argumento Original: DUSTIN LANCE BLACK

The Dark Knight - O Cavaleiro das Trevas



1 - Melhor Actor Secundário: HEATH LEDGER
2 - Melhores Efeitos Sonoros

The Reader - O Leitor - Melhor Actriz: KATE WINSLET



Vicky Crsitina Barcelona - Vicky Cristina Barcelona - Actriz Secundária: PENELOPE CRUZ




The Duchess - A Duquesa - Melhor Guarda-Roupa




Wall-E - Wall-E - Melhor Filme de Animação




La Maison en Petits Cubes - Melhor Curta-Metragem de Animação




Spielzeugland (TOYLAND) - Melhor Curta-Metragem



Smile Pinky - Melhor Curta-Metragem Documental



Man On Wire - Homem no Arame - Melhor Documentário




Departure (Japão)- Melhor Filme Estrangeiro

Up at the Villa - Trailer




Aqui fica o trailer do filme, referente ao livro Paixão em Florença.

Alguém consegue-me arranjar este filme??

Paixão em Florença - Somerset Maugham

Comecei e acabei de ler o livro no dia 21/02/2009.

Florença. Uma magnífica casa nas colinas serve de cenário para um sonho que, subitamente, se transformará em pesadelo...
Um simples acto de compaixão, o desejo de proporcionar alguma beleza à vida atribulada e infeliz de um jovem refugiado, vai no entanto dar início a um pesadelo de violência que destruirá a ténue serenidade de Mary. Intuitivamente, ela vai confiar na ajuda e compreensão de Rowley Flint, um estranho de reputação mais que duvidosa. E compreenderá com ele que rejeitar o amor, mesmo com todos os seus múltiplos riscos, é rejeitar a própria vida.



Gostei do livro, li-o em 2 horas

Gostei, leitura facil .

William Somerset Maugham (pronounced 'mawm'), CH (25 January 1874 – 16 December 1965) was an English playwright, novelist and short story writer. He was one of the most popular authors of his era, and reputedly the highest paid of his profession during the 1930s.

Maugham's father was an English lawyer handling the legal affairs of the British embassy in Paris. Since French law declared that all children born on French soil could be conscripted for military service, Robert Ormond Maugham arranged for William to be born at the embassy, technically on British soil, saving him from conscription into any future French wars. His grandfather, another Robert, had also been a prominent lawyer and cofounder of the English Law Society, and it was taken for granted that William would follow in their footsteps. Events were to ensure this was not to be, but his elder brother Viscount Maugham did enjoy a distinguished legal career, and served as Lord Chancellor between 1938–39.

Maugham's mother Edith Mary (née Snell) was consumptive, a condition for which the doctors of the time prescribed childbirth. As a result, Maugham had three older brothers already enrolled in boarding school by the time he was three and he was effectively raised as an only child. Childbirth proved no cure for tuberculosis, and Edith Mary Maugham died at the age of 41, six days after the stillbirth of her final son. The death of his mother left Maugham traumatized for life, and he kept his mother's photograph by his bedside until his own death at the age of 91 in Nice, France. Two years after Maugham's mother's death, his father died of cancer. William was sent back to England to be cared for by his uncle, Henry MacDonald Maugham, the Vicar of Whitstable, in Kent. The move was catastrophic. Henry Maugham proved cold and emotionally cruel. The King's School, Canterbury, where William was a boarder during school terms, proved merely another version of purgatory, where he was teased for his bad English (French had been his first language) and his short stature, which he inherited from his father. It is at this time that Maugham developed the stammer that would stay with him all his life, although it was sporadic and subject to mood and circumstance.

Life at the vicarage was tame, and emotions were tightly circumscribed. Maugham was forbidden to lose his temper, or to make emotional displays of any kind — and he was denied the chance to see others express their own emotions. He was a quiet, private but very curious child, and this denial of the emotion of others was at least as hard on him as the denial of his own emotions.



Maugham was miserable both at the vicarage and at school. As a result, he developed a talent for applying a wounding remark to those who displeased him. This ability is sometimes reflected in the characters that populate his writings. At sixteen, Maugham refused to continue at The King's School and his uncle allowed him to travel to Germany, where he studied literature, philosophy and German at Heidelberg University. It was during his year in Heidelberg that he met John Ellingham Brooks, an Englishman ten years his senior. On his return to England his uncle found Maugham a position in an accountant's office, but after a month Maugham gave it up and returned to Whitstable. His uncle was not pleased, and set about finding Maugham a new profession. Maugham's father and three older brothers were all distinguished lawyers and Maugham asked to be excused from the duty of following in their footsteps.

A career in the church was rejected because a stammering minister might make the family seem ridiculous. Likewise, the civil service was rejected — not out of consideration for Maugham's own feelings or interests, but because the recent law requiring civil servants to qualify by passing an examination made Maugham's uncle conclude that the civil service was no longer a career for gentlemen. The local doctor suggested the profession of medicine and Maugham's uncle reluctantly approved this. Maugham had been writing steadily since the age of 20 and fervently intended to become an author, but because Maugham was not of age, he could not confess this to his guardian. So he spent the next five years as a medical student at King's College London.

The Bone Collector (1999) - Trailer

O Coleccionador de Ossos - Jeffery Deaver

Comecei a ler no dia 16/02/2009 e acabei no dia 21/02/2009

O livro que deu origem ao filme com Denzel Washington e Angelina Jolie


Sinopse
Lincoln Rhyme, um brilhante detective criminal, encontra-se tetraplégico e fora do activo devido a um acidente quase fatal numa investigação. Amélia Sachs é uma polícia novata que se depara com uma vítima horrivelmente mutilada. Os dois encontram-se quando Rhyme, pela sua perícia, é destacado para a investigação deste crime e Sachs é chamada para ajudar.
Inicialmente sem vontade, aceitam trabalhar nesta investigação quando algumas pistas indiciam não se tratar de um homicídio isolado.
A partir da sua cama, Rhyme dirige Sachs através de medonhos cenários criminais na tentativa de decifrarem um puzzle diabolicamente arquitectado por um «coleccionador» de crimes.
A distância entre a dupla e o inteligente assassino parece cada vez maior, mas entre Rhyme e Sachs pode ser cada vez menor...



Críticas de imprensa

«O melhor escritor de thrillers dos nossos dias.»
The Times

«Um thriller de cortar a respiração.»
Wall Street Journal

«Inquestionavelmente eficaz e absolutamente horripilante. A abordar com precaução.»
Literary Review

Adorei este livro é muito melhor que o filme, está um espectáculo.
De uma leitura muito fácil que nos prende logo nas primeiras folhas... e sempre com muita acção... temos que continuar sempre a ler para saber o que vai acontecer nos segundos a seguir.

ADOREI ;)

Jeffery Deaver (born May 6, 1950, in Glen Ellyn, Illinois) is an American mystery/crime writer. He originally started working as a journalist, but trained as a lawyer and later practised law.

Many of his books tend to promote lateral thinking, particularly his short story collection Twisted. One of his books, The Blue Nowhere, features criminal hackers (one using social engineering to commit murder), as well as a law enforcement computer crime unit. His most popular series features his regular character Lincoln Rhyme, a quadriplegic detective, and Amelia Sachs. (According to a 2006 interview on the Early Show, Deaver stated that he would rotate between his new series and Lincoln Rhyme each year.) Virtually all of his works feature a trick ending, or sometimes multiple trick endings.

Two of Deaver's novels have been produced into movies: The Bone Collector (1999), and A Maiden's Grave as the TV movie Dead Silence (1997).



Deaver also created the characters and - in a collaboration with 14 other noted writers - wrote the 17-part serial thriller "The Chopin Manuscript" narrated by Alfred Molina that was broadcast on Audible.com from September 25th to November 13, 2007.

Standalone works
Mistress of Justice (1992)
The Lesson Of Her Death (1993)
Praying For Sleep (1994)
A Maiden's Grave (1995)
The Devil's Teardrop (1999) (Lincoln Rhyme is in a chapter as a consultant)
Speaking In Tongues (2000)
The Blue Nowhere (2001)
Garden Of Beasts (2004)
The Bodies Left Behind (release date: October 14, 2008)[1]

Rune Trilogy
Manhattan Is My Beat (1988)
Death Of A Blue Movie Star (1990)
Hard News (1991)

Location Scout
Shallow Graves (1992)
Bloody River Blues (1993)
Hell's Kitchen (2001)

Lincoln Rhyme
The Bone Collector (1997)
The Coffin Dancer (1998)
The Empty Chair (2000)
The Stone Monkey (2002)
The Vanished Man (2003)
The Twelfth Card (2005) (Ron Pulaski is introduced in this novel)
The Cold Moon (2006) (Kathryn Dance is introduced in this novel)
The Broken Window (2008)
Kathryn Dance
The Sleeping Doll (2007) (Lincoln Rhyme appears briefly). The central character is a reworking of a character in Deaver's short story Interrogation, included in More Twisted. Another character reworks a character from Deaver's short story Copycat, also included in More Twisted.
The Roadside Crosses (2009)

Collections
A Confederacy of Crime (2001) - Deaver is the featured author in this book centered around Southern-style mystery stories.
Twisted (2003) - 16 short stories, including one featuring Lincoln Rhyme.
More Twisted (2006) - another short story collection, including one featuring Lincoln Rhyme.

sexta-feira, fevereiro 20, 2009

Teste: SE FOSSE UMA VIAGEM, QUAL SERIA?

Bem o resultado não podia estar mais certo ;D!!!

Teste: Se fosses um Livro, qual serias?

Descobri este teste Rádio Comercial através do blog Mil Livros, Um Sonho e resolvi fazer o mesmo...
E o resultado saiu este:


quinta-feira, fevereiro 19, 2009

Uma excelente Surpresa!!!!

Ontem à noite quando cheguei a casa tive uma óptima surpresa… até subi às nuvens !!!

Não é que quando mal abri a porta estava na mesinha do Hall de entrada este maravilhoso Calibrador Digital… é o que faz ser "pedinchona" lol !!!!




Agora é que vai ser... já vou poder organizar a minha "pequena" coleção de moedas...

Ontem já estive a medir as minhas moedas antigas da Republica Portuguesa de 1 cêntimo, 50 cêntimos, 5 escudos, 100 escudos, 200 escudos e até de 1000 escudos…

Quando já tiver todas as moedas medidas já posso ir comprar os Alveolos

terça-feira, fevereiro 17, 2009

O meu Grande Vicio !!!

Ontem fui às compras... e não não me contive... tive que trazer uns chocolatinhos (o meu grande vicio lol)... que até já a dormir sonhava com eles !!! ;D!!!















Ai os kilinhos !!! lol!!!

Die Walküre (A Valquíria)

É uma ópera de Richard Wagner, a segunda parte de quatro que compõem a tetralogia Der Ring des Nibelungen (O Anel do Nibelungo). Sua estréia ocorreu no Teatro Nacional em Munique em 26 de junho de 1870, antes mesmo do término da ciclo do Anel. Para esta obra, Wagner inspirou-se na lenda nórdica da Saga de Volsunga. A parte mais popularizada é a passagem musical da Cavalgada das Valquírias, que abre a primeira cena do terceiro ato.



Ato I

Cena I

A obra é iniciada com personagens cujas identidades são desconhecidas (uma técnica já usada pelo autor em outras óperas fora da tetralogia do Anel, como Lohengrin). Durante uma grande tempestade, Siegmund procura abrigo na residência do guerreiro Hunding. O local é uma habitação rude, e há uma grande árvore no centro da sala. O dono da casa não se encontra no local, mas, exaurido e caindo próximo a uma lareira, Siegmund é recepcionado por Sieglinde, esposa infeliz de Hunding. Ele conta-lhe que estava escapando de seus inimigos e que agora está ferido. Após beber um pouco de hidromel oferecido pela mulher, já se direciona para a saída alegando estar amaldiçoado pelo infortúnio. Ele acrescenta que sempre leva a desgraça onde quer que vá. Entretanto, ela o convida a permanecer, justificando que ele não pode trazer infortúnio a um lar onde a má sorte já reside, em referência a sua infelicidade.

Cena II

Ao retornar, Hunding relutantemente oferece hospitalidade ao visitante. Marcando a transição para a segunda cena, a entrada desse novo personagem é caracterizada por compassos curtos que demonstram seu caráter sombrio. Hunding surpreende-se com tamanha semelhança ente sua esposa e o forasteiro. Ele começa a conversar com o hóspede, perguntando seu nome, até então desconhecido. Siegmund responde que não pode chamar-se Pacífico nem Jubiloso, mas sim Doloroso.
Sieglinde, cada vez mais fascinada pelo sujeito desconhecido, pede para que ele conte sua história enquanto os homens comem. Siegmund então descreve um dia estar voltando para casa com seu pai após caçarem juntos, encontrando sua casa incendiada, sua mãe morta e sua irmã gêmea desaparecida, raptada pelo povo Neindinge (invejoso). Ambos passam a viver na floresta, lutando contra inimigos que por vezes apareciam. Hunding então o interrompe por um momento, dizendo que já havia ouvido falar sobre rumores dessa corajosa dupla que vivia na floresta. Siegmund continua sua história, e como o povo Neindinge os perseguiu de forma que ele perdesse contato com seu pai. Nessa hora a orquestra executa o tema da Valhala, uma referência a origem do pai de Siegmund, ainda desconhecida. Agora sozinho, ele deixa a floresta e torna-se um desafortunado.
Após comentário seco de Hunding, Sieglinde pergunta ao hóspede como perdeu suas armas. Ele explica que certo dia encontra uma garota sendo forçada a se casar e discute com os parentes da moça, matando seus irmãos. Entretanto, por vingança suas armas foram quebradas e a moça morta pelo restante dos familiares. Desarmado e ferido, ele então escapou do local, chegando eventualmente à residência de Hunding. Quando Siegmund termina, Hunding revela que é um de seus capturadores (assume-se que é um dos membros da família que quer vingança). Ele garante uma noite de hospedagem ao estranho, mas o desafia para um duelo na manhã seguinte. Hunding então deixa a sala com Sieglinde, ignorando o desconforto de sua esposa. Antes de deixar o recinto, ela indica um ponto específico da árvore em sua sala ao visitante, que não entende o significado.

Cena III

Iniciando outra cena, anoitece. Sozinho, Siegmund lamenta sua desgraça, citando a promessa de seu pai de que ele encontraria uma espada quando precisasse (lembrar que suas armas estavam quebradas pela batalha anterior, ele não tinha no momento outras disponíveis para duelar). Ele se sente desprotegido no local, apesar da presença da mulher adorável que acabara de conhecer. Começa então a invocar Volsa pela espada diversas vezes, um nome cujo significado é entendido posteriormente. Com o apagamento da lareira, ele percebe um clarão na árvore antes indicada por Sieglinde, e questiona o que seria aquilo.
Sieglinde retorna, explicando ter drogado a bebida de seu marido com uma erva narcótica para que repousasse profundamente. Ela diz querer lhe mostrar uma arma, e começa revelando que havia sido forçada a casar-se com Hunding após ter sido raptada. Durante a festa de casamento, um velho homem com um dos olhos cobertos apareceu e encravou uma espada no tronco de uma árvore localizada no centro da sala de sua casa, que nem Hunding nem seus comparsas conseguiam retiram. (Posteriormente descobre-se que o velho homem era Wotan, seu pai.) Ela toma conhecimento sobre o tal velho e a que a espada se destina, e expressa seu anseio pelo herói que poderia obter a espada para si e salvá-la de sua condição atual. Após ouvir a história, Siegmund expressa seu amor pela mulher, sendo correspondido por ela, que por sua vez tenta entender de onde já o reconhece. Deduzindo que o forasteiro era seu herói, quando ele cita o nome de seu pai, Volsa, ela declara que ele é Siegmund, e que a espada era destinada especialmente para ele. A porta se abre sozinha, assustando os dois.
Siegmund então facilmente obtém a espada para si, e ela declara que é Sieglinde, sua irmã gêmea. Ele então nomeia a espada Nothung. O ato encerra-se com Siegmund chamado Sieglinde por noiva e irmã, acariciando-a, e os dois partem do local.

Ato II

Cena I

Wotan está nas rochas de uma montanha com Brünnhild, uma de suas filhas valquírias. Ambos animados, ele a instrue a proteger Siegmund de um eminente ataque de Hunding (que após acordar do longo repouso proporcionado pelas drogas, estaria furioso pela ausência de sua esposa). Ela acata o pedido exclamando o brado típico das valquírias, e então percebe que Fricka está chegando rapidamente em um carro movido a carneiros. Fricka é esposa de Wotan e guardiã dos casamentos. A valquíria deixa o local. Ao chegar, claramente transtornada, Fricka exige a punição de Siegmund e Sieglinde por adultério e incesto. Ela sabe que Wotan era pai do casal; apesar de deus, ele também é conhecido como o homem mortal Volsa. Em seu contrato de casamento, Wotan prometeu ajudá-la em todos os momentos, ele deveria cumprir mais esse tratado. Ele protesta, alegando que precisava de um herói livre (não governado por ele, o governante dos deuses) para executar seus planos[1]. Também alega que não vê problema na união dos dois, que foi motivada por amor. Mas Fricka replica, alegando que Siegmund não passa de um fantoche dele e não um herói livre, e censura a relação incestuosa do casal, inaceitável segunda ela, e a desonra da quebra do casamento entre Hunding e Sieglinde. Sem saída, tendo que cumprir seu contrato com a esposa, Wotan promete a ela cumprir sua última exigência: retirar a magia da espada de Siegmund de forma que ele perca o duelo, e que a valquíria não o ajude nessa batalha. Brünnhild chega e Fricka parte, não antes de dizer à moça que seu pai tem algo a dizer.

Cena II

Fricka se retira, deixando Brünnhild com um Wotan desamparado, bem diferente de quando haviam se encontrado pela última vez. Após pedido, Wotan a explica seus problemas, primeiramente hesitante ao abrir-se com a filha, o que poderia fazer com que perdesse sua figura autoritária. Ele começa desde seus impulsos que o fizeram mal uso dos tratados que legisla e a participação de Loge, o "O Ouro do Reno" e o anão Alberich, a mensagem transmitida por Erda já prevendo desastre eminente; Brünnhild inclusive é sua filha com Erda. Ela e suas oito irmãs cresceram como as valquírias, damas da guerra que levam as almas dos heróis mortos para formar na Valhala um exército contra Alberich. Era uma tentativa de Wotan de reverter os fatos que estavam se sucedendo desde que ele havia sido amaldiçoado pelo anel. Neste momento, ela o interrompe momentaneamente para dizer-lhe que o exército está em boas condições, mas é avisada por Wotan que o problema ainda não era esse, havia mais a ser explicado. Ele continua, dizendo que o exército seria derrotado se Alberich tivesse posse do Anel, que no momento estava sob posse do gigante Fafner. Usando o elmo mágico Tarnhelm, o gigante havia se transformado em um dragão, circulando pela floresta com o tesouro de Nibelungo. Wotan não poderia obter o Anel de Fafner através da força, pois era governante e a posse do anel estava com o gigante sob contrato, não havia nada a fazer por conta própria. Ele precisava de um herói livre para derrotar Fafner em seu lugar, uma pessoas isenta de sua influência. A valquíria chega a citar Siegmund. Entretanto, como apontado por Fricka, Wotan só consegue criar servos para si, meros fantoches como Siegmund não eram pessoas livres de fato.
Severamente, Wotan ordena Brünnhild a obedecer Fricka e assegurar a morte de Siegmund, filho de Wotan e meio-irmão da valquíria. Ela hesita, questionando as ordens contraditórias de seu pai, mas por fim acata o pedido. Ele sai, deixando-a sozinha para preparar-se para o duelo que viria a seguir.

Cena III

Após fugir da residência de Hunding, o casal Siegmund e Sieglinde chega à passagem da montanha, onde Sieglinde desaba exausta e sentindo-se culpada, indigna do amor de Siegmund. Ele a conforta, dizendo que se vingará de Hunding. Ela alega começar a ouvir a perseguição de seu marido, e delira, já antevendo o duelo.

Cena IV

Brünnhild chega de uma gruta e se aproxima de Siegmund, contando-o sobre sua morte eminente. Ela diz que sua função é se apresentar àqueles prestes a morrer, levando-os à Valhala. Os dois conversam sobre a vida que Siegmund teria nesse novo lugar, e por fim ele recusa segui-la quando descobre que Sieglinde não poderia o acompanhar. Ela lhe diz que não resta outra alternativa, mas ele replica que não haveria como morrer tendo a espada mágica de seu pai em punho. A valquíria o esclarece que a mesma pessoa que o havia concedido a espada retirara seu poder. Siegmund revolta-se com a traição que ocorrera, clamando preferir ir ao inferno que acompanhar Brünnhild à Valhala.
Transtornado, o guerreiro já ameaça matar sua esposa sendo impedido pela valquíria. Impressionada por sua coragem e comovida pela situação, Brünnhild reconsidera e concorda em proteger Siegmund, desrespeitando as ordens de seu pai. Com seus votos de bênção, ela deixa o local.

Cena V

Enquanto Siegmund contempla sua noiva repousando, Hunding chega anunciado por sua trompa, os dois discutem e Hunding ataca seu oponente. Abençoado pela imortal Brünnhild, Siegmund reage e toma vantagem no duelo, mas Wotan aparece e estilhaça Nothung (a espada de Siegmund) com sua lança. Desarmado, Siegmund é morto por Hunding. Brünnhild reúne Sieglinde e os pedaços da espada, e foge em seu cavalo. Wotan observa muito triste seu filho morto. Em sua fúria, mata Hunding com somente um gesto, e parte em perseguição a sua filha, que havia desrespeitado sua ordem, deixando a cena ao som de um trovão.

Ato III

Cena I

Em uma passagem musical conhecida como a Cavalgada das Valquírias (conhecida amplamente por sua utilização em outros meios), as valquírias Gerhilde, Ortlinde, Helmwige, Schwertleite, Waltraute, Siegrune, Grimgerde e Rossweisse se reúnem em uma montanha, cada uma com seu cavalo e levando um herói morto. Elas se espantam quando Brünnhild chega trazendo consigo uma mulher viva. Ela pede ajuda a suas irmãs, explicando a perseguição de Wotan, mas elas não ousam desafiar seu pai. Insiste, pedindo um cavalo, mas elas estão irredutíveis. Brünnhild então decide esperar Wotan enquanto Sieglinde foge. Antes de se retirar, Brünnhild revela que Sieglinde está grávida de Siegmund, e chamada o garoto ainda não nascido Siegfried. Sieglinde agradece e parte para a floresta. Ouve-se a voz enfurecida de Wotan, e as valquírias rodeiam Brünnhild a fim de protegê-la de seu pai.

Cena II

Wotan chega enfurecido, exigindo que as outras valquírias entreguem Brünnhild. Apesar delas tentarem acalmá-lo, ele se enfurece ainda mais com a atitude fraternal "mortal" das moças, indignas de sua condição de valquírias. Por fim, Brünnhild se apresenta, e Wotan a julga: ela tem seu status de valquíria retirado, tornando-se uma mortal (um grande castigo a uma valquíria), e entrará em sono mágico na montanha até que um homem a salve, tornando-se seu esposo. As outras valquírias rogam piedade, mas após Wotan exigir que elas se retirem ameaçando estender a punição às outras elas fogem do local.

Cena III

Brünnhild suplica piedade a Wotan, ela que era sua filha favorita. Ela explica a coragem de Siegmund e sua decisão de protegê-lo, conhecendo os reais desejos de Wotan e não os impostos por Fricka. Entretanto, Wotan mantém a decisão. Já conformada com o fato de tornar-se uma mortal, ela ainda não aceita estar a mercê de um homem qualquer, sem valor. Chega a citar Siegfried. Wotan reafirma a decisão, enfatizando que qualquer um que a acordar do sono profundo a terá como esposa. Ela insiste, pedindo que somente um bravo herói digno consiga acordá-la do sono. Apesar de resistência inicial, seu pai acaba acatando o pedido emocionado com a situação, definindo que o perímetro da montanha esteja coberto por fogo mágico, de forma que somente os bravos heróis dignos do amor da ex-valquíria a consigam encontrar. Através do leitmotiv, ambos percebem que esta pessoa será o ainda não nascido Siegfried. Para realizar o pedido, Wotan deita Brünnhild em uma rocha e a beija, iniciando o sono mágico. Ele invoca Loge para iniciar o círculo de fogo que a protegerá, sendo prontamente atendido. Ele então parte, citando "(...) quem teme a ponta de minha lança não passará pelo fogo"; isto é, somente pessoas livres poderão passar pelo fogo, quem não for regido pelo governante dos deuses.

Valquíria

Ontem à noite fui ao cinema com o David, ver este filme...

O Coronel Stauffenberg , um orgulhoso militar alemão, é um oficial leal que ama o seu país, mas que se vê forçado a olhar, com horror, para a ascensão de Hitler ao poder e para todos os posteriores acontecimentos da II Guerra Mundial. Ele continua no serviço militar, enquanto procura encontrar a maneira de fazer parar Hitler antes que a Europa e Alemanha sejam destruídas. Verificando que o tempo é cada vez mais escasso, Stauffenberg decide entrar em acção, e em 1942 tenta persuadir os altos comandos do Leste a virarem-se contra Hitler e o derrotarem. Mas é em 1943, enquanto se recupera dos ferimentos sofridos em combate, que Stauffenberg reúne forças junto à Resistência Alemã, e organiza uma conspiração anti-Hitler, tendo do seu lado alguns homens das altas esferas do poder. Armado de uma estratégia astuciosa - a apelidada Operação Valquíria – ele planeia destabilizar o governo, assassinar o ditador e destituir do poder o regime Nazi. Com o futuro do mundo, o destino de milhões e as vidas da sua mulher e filhos nas mãos, Stauffenberg está confiante de ser ele próprio quem matará Hitler...





segunda-feira, fevereiro 16, 2009

Belas Mentiras - Lisa Unger

Comecei a ler no dia 12/02/2009 e acabei hoje dia 16/02/2009.

E se a sua família fosse uma mentira?
E se o seu nome fosse uma mentira?
E se a sua vida fosse um conjunto de Belas Mentiras?

Se Ridley Jones tivesse acordado dez minutos mais tarde ou tivesse apanhado o metro em vez de um táxi, ainda estaria a viver a bela mentira a que costumava chamar vida. Ainda seria a filha mimada de uns pais extremosos. Mas duas decisões insignificantes colocam-na no local e no instante certos para praticar uma boa acção, desencadeando uma série de acontecimentos que irão virar do avesso o mundo de Ridley...

Críticas de imprensa
"Um dos thrillers mais empolgantes do ano!"
The New York Post

"As reviravoltas surpreendentes do enredo vão deixá-la boquiaberta."
The Cosmopolitan



Com direitos vendidos a 23 países, Lisa Unger é uma voz original no universo do thriller psicológico contemporâneo. Belas Mentiras, o seu primeiro romance, é um livro sobre a família. Sobre uma família estranha e sobre o lado estranho e inesperado da vida em família.

Uma boa acção projecta Ridley Jones, jovem jornalista nova-iorquina, na primeira página dos jornais. Pouco tempo depois, Ridley recebe em casa a fotografia de uma criança com a legenda «És a minha filha?». Na suspeita de que o mundo em que vive e a sua identidade são uma ilusão, Ridley questiona tudo o que sabe acerca de si própria e descobre que todos os que a rodeiam lhe escondem algo....
Se Ridley tivesse dormido mais dez minutos nessa manhã ou se, em vez de esperar por um taxi, tivesse apanhado o metro, talvez continuasse a ter uma vida idílica. No entanto, estar no lugar errado à hora certa desencadeia uma série de eventos reveladores: a sua família não é o que ela pensa, o seu nome talvez seja falso, a infância que julga ter tido pode não ser a sua.
Belas Mentiras decorre no cenário, por vezes assustador, de uma Nova-Iorque que Lisa Unger conhece intimamente: a Ponte de Brooklyn, a esquina da Primeira Avenida com a Rua Onze, a pastelaria Veniero’s e a pizzaria Five Roses, uma loja de roupa gótica chamada Trash and Vaudeville e o metro são lugares que marcaram o dia-a-dia da autora e que contagiam agora o seu trabalho. Unger consegue evocar o som, os odores, o ritmo, o lado sedutor e o lado esmagador da grande cidade, como se esta fosse mais uma personagem do romance.

Polémico e inquietante, Belas Mentiras é a estreia de Lisa Unger no universo actual do thriller psicológico. Um livro sobre a família e também sobre o que nos é familiar, o que nos dá identidade: pessoas, lugares, memórias. O drama das crianças desaparecidas serve como pretexto para encenar o lado inesperado das relações familiares, o modo como nos revemos ou não no nosso passado e as relações de confiança ou de suspeita que estabelecemos com aqueles que nos são mais próximos.



Adorei este livro... a maneira como está escrito... como é colocada questões aos leitore, para o ligar mais à personagem do livro... gostei bastante...

É engraçado como pequenos pormenores na nossa vida podem mudar tudo!

«A esperança é boa. Sem ela, bem, podem calcular. Todavia, a esperança pode ser como uma prece. Temos de a dedicar a algo mais poderoso que nós. Se os últimos meses me ensinaram alguma coisa foi que não detemos o controlo, mas temos escolhas. As pequenas, as grandes, é à sua volta que as nossas vidas se alteram. Podemos apenas tentar fazer as melhores escolhas possíveis com aquilo que sabemos, e esperar que tudo venha a correr conforme queríamos.»



Lisa Unger (born 1970 in Hartford, Connecticut) is a contemporary American author of literary thrillers. Her novels have been published in more than twenty-five countries.

She was born in Hartford, Connecticut but grew up in the Netherlands, England and New Jersey. A graduate of the New School for Social Research, she spent a number of years living and working in New York City. In 2000, she left a career in publicity to pursue her dream of becoming a full-time author. She now lives in Florida with her husband and their daughter.

Beautiful Lies was selected as an International Book of the Month, an honor bestowed upon only a few authors worldwide each year, with past recipients including Harlan Coben and Karin Slaughter. It was also chosen in 21st place in the top 50 "Best Books of 2006" by the editors of amazon.com, a BookSense pick in May 2006 and a finalist in the International Thriller Writers Organization "Best Novel" Award in 2007.

Sliver of Truth, the sequel, was also a BookSense pick in January 2007 and a main selection for Literary Guild and Doubleday Book Club.[citation needed] Black Out, her first stand-alone novel, was released on 27 May 2008.

Nate King Cole - When I fall in love

When I fall in love it will be forever
Or Ill never fall in love
In a restless world like this is
Love is ended before its begun
And too many moonlight kisses
Seem to cool in the warmth of the sun

When I give my heart it will be completely
Or Ill never give my heart
And the moment I can feel that you feel that way too
Is when I fall in love with you.

And the moment I can feel that you feel that way too
Is when I fall in love with you.


quinta-feira, fevereiro 12, 2009

The Wedding Date Trailer

Um dos meus filmes Favoritos ;D!!!!


Wedding Date Elizabeth Young

Adorei o livro!!! Comecei a ler no dia 3 de Fevereiro e acabei no dia 11 de Fevereiro.

Foi o primeiro livro escrito em inglês, não posso mentir dizendo que foi um pouco difícil...pois o livro têm (bastantes) termos que eu não compreendia... mas dava para no contexto perceber toda a história.

Mais uma vez comprova-se que o livro, que depois deu um filme, é muito melhor... bem eu não posso bem disser isso, pk eu já conhecia bem o filme (é um dos meus favoritos).. mas neste caso o filme é tão... mas tão tão diferente do livro que nem dá para imaginar...mas o livro é muito engraçado.. montes de cenas para rir e as confusões que ela arranja só por causa de uma pequena mentira!!! bem... mas acaba tudo bem.. assim no livro como no filme ;D!!

Mas recomendo os dois!!! O livro e o filme são os dois muito bons ;)



Sophy's single and happy about it. She does, however, have an imaginary boyfriend, Dominic, a little white lie designed to keep Sophy's mother off her back. Which is fine, until his presence is demanded at a family wedding. So does Sophy admit Dominic is a fantasy?



Elizabeth Young started writing after a variety of jobs that included being part of an airline cabin crew, modelling for TV commercials in Cyprus and working for the Sultan's Armed Forces in Oman.

quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Sabedoria canina

Já se imaginou agindo com a sabedoria canina? A vida teria uma perspectiva mais amistosa.

Tente:

1. Nunca deixe passar a oportunidade de sair para um passeio.



2. Experimente a sensação do ar fresco e do vento na sua face por puro prazer.



3. Quando alguém que você ama se aproxima, corra para saudá-la(o).



4. Quando houver necessidade, pratique a obediência.



5. Deixe os outros saberem quando invadiram o seu território.



6. Sempre que puder tire uma soneca e se espreguice antes de se levantar.



7. Corra, pule e brinque diariamente.



8. Coma com gosto e entusiasmo, mas pare quando estiver satisfeito.



9. Seja sempre leal.



10. Nunca pretenda ser algo que você não é.



11. Se o que você deseja está enterrado, cave até encontrar.



12. Quando alguém estiver passando por um mau dia, fique em silêncio,sente-se próximo e, gentilmente, tente agradá-lo.



13. Quando chamar a atenção, deixe alguém tocá-lo.



14. Evite morder quando apenas um rosnado resolver.



15. Nos dias mornos, deite-se de costas sobre a grama.



16. Nos dias quentes, beba muita água e descanse embaixo de uma árvore frondosa.




17. Quando você estiver feliz, dance e balance todo o seu corpo.



18. Não importa quantas vezes for censurado, não assuma a culpa que não tiver e não fique amuado... corra imediatamente de volta para seus amigos.



19. Alegre-se com o simples prazer de uma caminhada.

terça-feira, fevereiro 10, 2009

As minhas Fotos no Site Olhares

Para quem gostar de fotografia, podem visitar os meus trabalhos no Site Olhares e digam da vossa justiça!!

Aqui ficam só alguns exemplos !!!

quinta-feira, fevereiro 05, 2009

Quem Quer Ser Milionário - Trailer

Ontem, depois de um dia muito cansativo de trabalho, fui com o M. ver a ante-estreia deste maravilhoso filme... baseado no livro "Quem quer ser Bilionário" do escritor Vikas Swarup, que eu li em Julho de 2007 e tinha adorado ;D!!!



Apesar de terem mudado bastantes coisas no filme... como o Titulo, o nome da actor principal e algumas partes do livro, o filme está muito bom.

Aconselho a irem ver!!!

quarta-feira, fevereiro 04, 2009

O Profecta do Castigo Divino - Pedro Almeida Vieira

Comecei a ler este livro no dia 28/01/2009 e acabei no dia 03/02/2009

«Com a publicação do seu segundo romance, O Profeta do Castigo Divino, A venturosa vida de Gabriel Malagrida, o jesuíta que tentou salvar Lisboa do terramoto de 1755, Pedro Almeida Vieira (PAV) estatui-se, no todo actual do romance português, como o mais fiel continuador de Fernando Campos e João Aguiar, o que significa, devido à relativa juventude do autor (n. 1969), que se estatui como a grande revelação do romance histórico português à entrada do século XXI.



PAV mostra-se exímio na narração de ambientes, com um admirável domínio vocabular setecentista, reflectindo uma notória capacidade investigativa, capaz de fazer inveja a não poucos historiadores, sustentando a narrativa num excelente conjunto de fontes coevas, que lhe alimentam a capacidade de efabulação a partir de problematizações histórico-sociais da época. Neste seu segundo romance, PAV apresenta o padre Malagrida como um misto de iluminado, de escolhido de Deus, militante eclesiástico, visionário, profeta do mal, socialmente excêntrico face aos próprios companheiros jesuítas, missionário obstinado, tão fanaticamente crente na missão divina da sua vida que não hesita em usar estratagemas ardilosos (como o das bolas de cera no mar) para exaltação de uma maior santidade pessoal e divina. Acresce um lado milagreiro, que espanta o próprio Diabo, e uam beatice supersticiosa, que atrai o mulherio crédulo de Lisboa e São Luís do Maranhão. Padre Malagrida é assim figurado, na visão ficcional de PAV, como o máximo exemplo da mentalidade evangélica dominante no Portugal de D. João V, em absoluto contraste com a nova mentalidade moderna e europeia elevada a figura de Estado de D. José I (excessivamente caricaturizado no romance, seguindo a tradição positivista oitocentista que identificava D. José com um rei tolo) e Marquês de Pombal, este denominado por Malagrida de Diábolos.

Diferentemente do romance de Luís Rosa, O Profeta do Castigo Divino constitui-se como o romance português que melhor descreve a tensão social entre estes dois «Portugais», finalizando com o auto-de-fé em que padre Malagrida é queimado, em 1761, anunciando a vitória (provisória) do Portugal iluminista.»
Miguel Real, JL nº 916 (9-22 de Novembro de 2005)

O escritor PAV escreve muito bem, de uma forma rebuscada, de acordo com a época, (aliás, aprendi algumas palavras que muito me divertiram (por exemplo as nefelibatices do padre Malagrida)) e documentou-se muito bem para retratar esta época. A utilização de um narrador surpresa e contar a história de uma forma não completamente linear foram outras das boas apostas para este livro. Soube-me muito bem o mergulho prolongado pelas diatribes dos nossos antepassados. E não é só o padre Malagrida o centro desta história. O senhor Sebastião José de Carvalho e Melo tem um protagonismo muito maior, como de resto teve na nossa História.

O único senão é que por vezes havia descrições um pouco exaustivas que se tornavam cansativas, ou sejam, criavam uma quebra na leitura.

Que bom filme é você?

O meu amigo M. desafiou-me para fazer um teste para saber que filme é que eu seria...não podia ter escolhido melhor





Você é "Imensidão Azul" de Luc Besson. Você é sonhador, único. Muito sublime e encantador(a).