Insecta Shoes

segunda-feira, dezembro 27, 2010

Oogy - Larry Levin

Comecei a ler este livro no dia 23 de Dezembro de 2010 e acabei no dia 24 de Dezembro de 2010.



Oogy – O cão que só uma família poderia amar, é um livro sobre o poder da redenção e o modo como os animais e as pessoas podem superar a maior das adversidades. E Oogy é um animal incrivelmente especial, cujo sentimento de segurança e a necessidade de ser amado prevaleceu apesar da sua provação. Este cão especial e a sua história verdadeira entram nos nossos corações e ali permanecem durante muito tempo.




Autor:
Larry Levin nasceu em Filadélfia e já viveu em vários locais como a Nova Inglaterra, antes de regressar às origens. É advogado há trinta anos, exercendo agora por conta própria.







Em 1982, casou-se com Jennifer Berke, uma jurista. Os filhos, Noah e Dan, nasceram em 1990. Este é o seu primeiro livro.


quinta-feira, dezembro 23, 2010

Analise de Fim de Ano

Quando chega o fim do ano, gosto de fazer algumas analises ao número de livros nesse ano (para comparar com anos anteriores) e este ano estive a analisar quais são os autores, cujos livros eu leio mais (desde sempre, não foi só este ano).
Este foi o resultado:

Nicholas Sparks - 14
Nora Roberts - 13
Daniel Silva - 9
J. K. Rowling - 7
Marc Lévy - 6
Charlaine Harris - 5
Stephenie Meyer - 5

Paises Visitados

A Primeira Noite - Marc Lévy

Comecei a ler este livro no dia 18/12/2010 e acabei no dia 22/12/2010.

O amor é a derradeira aventura - mas todas as aventuras implicam perigos.
Do alto dos planaltos da Etiópia às paisagens glaciais dos Urais, Marc Levy conclui com o seu novo romance a epopeia iniciada em O Primeiro Dia.

Excerto
«Há uma lenda que conta que a criança no ventre de sua mãe conhece todo o mistério da Criação, da origem do mundo até ao fim dos tempos. Ao nascer, um mensageiro passa por cima do berço e põe um dedo sobre os seus lábios para que a criança nunca revele o segredo que lhe foi confiado, o segredo da vida… (…) Este dedo pousado que apaga para sempre a memória da criança deixa uma marca. Essa marca todos nós a temos sobre o lábio superior, excepto eu.
No dia em que nasci, o mensageiro esqueceu-se de me visitar, e eu lembro-me de tudo.»




Críticas de imprensa
«Um triunfo.»
France Soir

«O romantismo deste livro é uma autêntica aventura.»
Le Parisien


Marc Levy é o autor de língua francesa mais lido em todo o mundo: os seus livros contam com cerca de 20 milhões de exemplares vendidos em mais de 41 países. Mas este autor não é só um favorito entre os leitores, também a crítica lhe tem reconhecido um talento excepcional como contador de histórias originais, provocantes e sempre comoventes.
Nasceu em Boulogne Bilancourt, em 1961. Aos 18 anos, juntou-se à Cruz Vermelha Francesa, instituição com a qual colaborou durante seis anos. Paralelamente, formou-se em Gestão e Informática na Université Paris-Dauphine. Em 1983, fundou uma empresa especializada em design e informática, com projectos em França e nos EUA. Mais tarde, viria a dedicar-se ao design de interiores, fundando outra firma em Paris.
Aos 37 anos, Marc Levy escreveu o seu primeiro romance. E Se Fosse Verdade… começou por ser uma história destinada ao homem que o seu filho viria a ser. Encorajado pela irmã, enviou o manuscrito a uma editora, que aceitou publicá-lo. O sucesso fez-se sentir imediatamente e, desde então, os seus romances são presença constante nas listas de best-sellers. Marc Levy tem-se dedicado inteiramente à escrita e dois dos seus romances foram já adaptados com grande sucesso ao cinema.




Link
http://www.lapremierenuit-lelivre.com/

Opinião
Adorei este segundo volume. Para uma pessoa, como eu que adora viajar, este livro é uma óptima prenda. Como eu adoro viajar e adoro tirar fotografias, este livro fez-me voar à volta do Mundo. E este livro despoletou em mim a minha paixão pela arqueologia e pela astronomia.
Mas no final do livro, o escritor não podia deixar de fazer referência à Religião, à fé das pessoas em Deus e de falar na possibilidade de vida depois da morte. E abordou o tema de como surgiu o primeiro ser humano, numa perspectiva muito interessante, mas é claro que eu não vou contar qual foi … têm mesmo que ler o livro.
Recomendo

sexta-feira, dezembro 17, 2010

Hush Hush - Becca Fitzpatrick

Comecei a ler este livro no dia 13/12/2010 e acabei no dia 17/12/2010.

UM JURAMENTO SAGRADO - UM ANJO CAÍDO - UM AMOR PROIBIDO

Apaixonar-se não fazia parte dos planos de Nora Grey. Nunca se sentira atraída por nenhum dos rapazes da sua escola, apesar da insistência de Vee, a sua melhor amiga.
Então, aparece Patch. Com um sorriso fácil e uns olhos que mais parecem trespassar-lhe a alma, Patch seduz Nora, deixando-a completamente indefesa.



Mas, após uma série de encontros assustadores com Patch, que parece estar sempre onde ela está, Nora não consegue decidir se há-de cair-lhe nos braços ou fugir sem deixar rasto.
Em busca de respostas para o momento mais confuso da sua vida, Nora dá consigo no centro de uma antiga batalha entre imortais. E quando é chegada a altura de escolher um rumo, a opção errada poderá custar-lhe a vida.



Becca Fitzpatrick cresceu a ler as aventuras de Nancy Drew e Trixie Belden, com a ajuda de uma lanterna, debaixo dos lençóis. Licenciou-se em Saúde, vocação que rapidamente trocou pelas histórias. Quando não está a escrever, o mais certo é estar a correr, a vasculhar as prateleiras das lojas em busca de sapatos giros e em saldos ou a ver séries criminais na televisão. Hush, hush é o seu primeiro romance. Vive no Colorado

segunda-feira, dezembro 13, 2010

Já não se fazem Homens como Antigamente - Vários

Comecei a ler a este livro no dia 10/12/2010 e acabei no dia 13/12/2010.

Lá diz o povo que rir é o melhor remédio. E que a brincar se dizem as coisas sérias. E também as patetices, se tudo correr pelo melhor. Este livro levanta assim questões fundamentais para o futuro da humanidade: Os velhotes não deveriam ter o Viagra comparticipado pelo SNS?



Se as pessoas das relações virtuais fossem assim tão interessantes estariam mesmo nos chats? Não seria já altura de perdermos a vergonha e abastecermos a nossa despensa de artigos da Sex Shop? Estas histórias falam sobre o prato principal, o Amor, isso é garantido! Mas com o acompanhamento de outros sabores como a ilusão, a obsessão, ou a tão portuguesa saudade, num registo humorístico, sentimental e despretensioso.

Miguel Almeida




Nasceu em Rãs, pequena aldeia do distrito de Viseu, em 1970, e fez o ensino básico e secundário em Sátão. Este é o seu terceiro livro publicado, depois de Um Planeta Ameaçado: A Ciência Perante o Colapso da Biosfera (Esfera do Caos, 2006) e A Cirurgia do Prazer: Contos Morais e Sexuais (Esfera do Caos, 2010). Licenciado em Filosofia (Variante de Filosofia da Ciência) pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde também fez o Mestrado em Filosofia da Natureza e do Ambiente, exerce actualmente funções docentes na Escola Secundária Cacilhas-Tejo, em Almada. Vive na Costa da Caparica, com a mulher, Carla, e o filho, Gabriel, na proximidade poética da família e do mar. Está já a preparar futuros livros, nas áreas da prosa de ficção e da poesia.

João Pedro Duarte



Nasceu a dois passos do Chapitô e do Castelo de São Jorge. Era a banda gótica The Cure que lhe enchia os ouvidos quando andava no Liceu de Oeiras. Licenciado em Psicologia, cedo demonstrou interesse por uma área menosprezada, a Psicologia Transpessoal de Carl Jung, que aborda o fenómeno da parapsicologia. Foi Monitor de Educação de crianças internadas em IPSS. Trabalhou com crianças autistas na APPACDM. Vive no centro histórico de Lisboa e já não prescinde da vista panorâmica sobre o rio e das calçadas mouriscas. Cruzou-se entretanto com diversos artistas, cantores, fotógrafos, artesãos e escritores e com eles criou cumplicidades indestrutíveis.


A primeira história a ser focada foi a da autora Daniela Pereira, a história "Clara ou a Cinderela dos Tempos Modernos".Daniela falou um pouco sobre a mensagem que a história encerra,mostrando uma analogia daquela história com os velhinhos contos de encantar.Sugerindo que os protagonistas da história vivem um conto de fadas mas com o final distorcido,porque Clara acaba por descobrir que o seu príncipe encantado Tozé vai revelar ser afinal um autêntico sapo.
A história brinca um pouco com as relações fugazes que se iniciam com atracções mútuas e sem tempo para uma construção sólida.As personagens são postas em situações onde os seus gestos tornam-se tão exagerados que as leva a mostrar um lado ridículo no modo como exprimem o que sentem.Uma história que pretende ser divertida mas com um forte momento de sátira ao comportamento humano nos dias de hoje.



Logo a seguir,João Pedro Duarte apresentou a sua história "Paciência de Chinês". Uma história que foca o medo que algumas pessoas sentem em assumir os seus sentimentos quando eles são verdadeiros.Numa inteligente e divertida peça de teatro guiada por um estranho fantasma,o autor retrata a vida de um casal apaixonado que continua afastado vivendo vidas paralelas numa tentativa frustrada de viver emoções que só juntos poderiam ter.O medo de sufocarem num amor tão intenso faz com que o jovem casal viva ilusões nos vários relacionamentos e experiências amorosas que partilham,mas acabando sempre por cair num vazio profundo.

A 3ª história a ser apresentada nesta sessão foi a hilariante história de um reformado idoso que desejou ter uma noite de prazer com a sua mulher.Falamos da história de Miguel Almeida, "Ele tomou Viagra,Ela chamou a polícia". O autor iniciou a sua apresentação referindo que a sua história tinha sido construída a partir de factos verídicos explicando que teve que sacrificar as férias para conseguir participar neste projecto,mostrando-se muito satisfeito por ter conseguido o seu objectivo.Nesta história o senhor Solidónio Matos tenta convencer o seu médico de família a receitar-lhe o famoso comprimido azul,o Viagra. Cansado de se sentir encerrado num corpo doente e débil,este idoso conduzido pela força das suas memórias e pela vontade do prazer pede ao seu médico a oportunidade de amar a sua mulher novamente.No entanto a toma do Viagra tem efeitos que a pobre da esposa de Solidónio não esperava.

Para terminar a apresentação da obra, o autor Pedro Miguel Rocha falou um pouco sobre a história que defendeu neste livro, "A Lâmina do Amor".Numa história que vasculha o mundo da realidade virtual e o cruza com uma relação real perturbando-a fortemente.Pedro Miguel Rocha refere os perigos e as tentações que os mundos de comunicação criados na net podem causar.A facilidade de encontrar novas pessoas e de estabelecer ligações sem conhecer a pessoa que está do outro lado do ecrã é muitas vezes responsável por enganos e por numerosas desilusões.

sexta-feira, dezembro 10, 2010

A Lenda do Cisne - Jules Watson

Comecei a ler este livro no dia 29/11/2010 e acabei no dia 09/12/2010.

Um druida profetizou no momento do nascimento de Deirdre que ela seria a mais bela mulher depois de Helena de Tróia e que, devido a essa maldição de beleza, os homens lutariam por ela e o reino seria dividido. Criada na floresta, em reclusão, Dreide não recebe qualquer visita a não ser a do rei cujo desejo em que ela se torne sua mulher tornar-se-á numa obsessão. Baseado num célebre mito irlandês, a história de amor entre Maeve - a rainha guerreira - e os seus desamores.




Críticas de imprensa
“ As personagens de Watson têm, simultaneamente, um encanto sobrenatural e um lado comum que engrandece a sua fragilidade enquanto pessoas e a sua dedicaçãp à vida e ao amor. "
Library Journal

“ A história de Deirdre tem tanto de glorioso como de comovente e Watson utiliza a sua prosa magnífica e profundo conhecimento Celta para tecer um romance espantoso, positivo e mágico. Uma história de amor soberba, com personagens inesquecíveis.”
Romance Reviews Today

“ A escrita de Watson prende o leitor na primeira frase e não o larga até à última página. Os mitos e lendas irlandesas são famosos pelos seus pormenores e estrutura complicada mas, ainda assim, a autora consegue construir um incrível mundo de druidas, reis irlandeses e heróis lendários de modo directo e sensível. Uma leitura obrigatória para todos os amantes do folclore irlandês."
The Romantic Times



Jules Watson, nasceu em Perth, Australia.
Após ter terminado o curso em Arqueologia, na Universidade de Perth, viajou durante algum tempo por todo o Reino Unido, seguindo-se Alemanha, França, Turquia, Jordânia e Peru. Ao regressar, tirou uma segunda licenciatura em Relações Públicas, tendo trabalhado como escritora freelance. Os seus primeiros trabalhos consistem maioritariamente em poemas e pequenos contos, tendo sido vencedora de um concurso literário aos 15 anos de idade.
Reside, actualmente, na Escócia.