Insecta Shoes

quinta-feira, julho 31, 2008

A Maldição da Flor Dourada



Site oficial: The Curse of the Golden Flower

Género: Acção/Drama/Romance

Distribuição: Vitória Filme

Classificação: M/16-Q

Hong Kong/China, 2006

114 min


China, final da Dinastia Tang, século X.
Na véspera do Festival Chong Yang Festival, flores douradas enchem o Palácio Imperial.
O Imperador (Chow Yun Fat) regressa inesperadamente com o seu segundo filho, o Príncipe Jai (Jay Chou).
O pretexto é celebrar as festividades com a família, apesar da relação fria que mantém com a Imperatriz (Gong Li).

Há já vários anos que a Imperatriz e o Príncipe Coroado, Wan (Liu Ye), seu enteado, mantém, uma relação ilícita.
Sentindo-se prisioneiro, Wan sonha em escapar do palácio com a sua secreta apaixonada, Chan (Li Man), filha do médico imperial.

Enquanto isso, Jai, o filho fiel, cresce preocupado com a saúde da Imperatriz e a sua obsessão por crisântemos dourados…

“Curse of the Golden Flower é o meu terceiro filme de acção. Acredito firmemente que a história é o elemento mais importante de qualquer filme. A acção é apenas um meio para contar a história. É o fio condutor, através do qual as relações são reveladas e os conflitos resolvidos.”- Zhang Yimou

“Um conto intemporal de intriga, corrupção e tragédia.” - Kevin Thomas, LOS ANGELES TIMES

Batman - The Dark Knight



Fui ver este filme na quinta feira passada, mas não consegui fazer o post do video (só agora).
Gostei bastante dos efeitos especiais do filme. Recomendo (para quem gosta do genero)

O Perfume

O Perfume História de um Assassino - Patrick Süskind

Esta estranha história passa-se no século XVIII e é fruto de um extraordinário trabalho de reconstituição histórica que consegue captar plenamente os ambientes da época tal como as mentalidades. O protagonista é um artesão especializado no ofício de perfumista, e essa arte constitui para ele – nascido no meio dos nauseabundos odores de um mercado de rua – uma alquímica busca do Absoluto. O perfume supremo será para ele uma forma de alcançar o Belo e, nessa demanda nada o detém, nem mesmo os crimes mais hediondos, que fazem dele um ser monstruoso aos nossos olhos. Jean-Baptiste Grenouille possui no entanto uma incorrupta pureza que exerce um forte fascínio sobre o leitor. O Perfume, publicado em 1985, de um autor então quase desconhecido, foi considerado um dos mais importantes romances da década e nunca mais deixou de ser reeditado desde então, totalizando os 4 milhões de exemplares vendi dos, só na Alemanha, e 15 milhões em países estrangeiros. Foi traduzido em 42 línguas. Este fenómeno transformou-o num dos mais importantes livros de culto de sempre. Em 2006, O Perfume passa a ser uma longa-metragem inspirada no romance de Patrick Süskind.




Patrick Süskind (Ambach am Starnberger See, Munique, 26 de Março de 1949- ) é um escritor alemão.

Nascido em Ambach am Starnberger See, perto de München na Alemanha. Filho do escritor e jornalista,W. E. Süskid. Estudou história Moderna e Medieval na Universidade de Munique e em Aix-en-Provence de 1968-1974. Nos anos oitenta, Süskind trabalhou como escritor, para "Kir Royal", "Monaco Franze" e outros. Ele é o autor do internacionalmente aclamado best-seller "O Perfume: história de um assassino" de 1985 (romance). Ele também é autor de "The Double Bass" de 1980 (teatro), "The Pigeon" de 1988 (novela), "The Story of Mr. Sommer" de 1991 (conto ilustrado por Sempé) e "Three Stories and a Reflection" de 1996 (contos).

Patrick Süskind vive em Ambach, Alemanha, raramente dá entrevistas ou aparece em público, preferindo levar uma vida isolada.

quarta-feira, julho 30, 2008

You Are An INFJ




The Protector

You live your life with integrity, originality, vision, and creativity.
Independent and stubborn, you rarely stray from your vision - no matter what it is.
You are an excellent listener, with almost infinite patience.
You have complex, deep feelings, and you take great care to express them.

In love, you truly see relationships as an opportunity to connect and grow.
You enjoy relationships as long as they are improving and changing. You can't stand stagnation.

At work, you stay motivated and happy... as long as you are working toward a dream you support.
You would make a great photographer, alternative medicine guru, or teacher.

How you see yourself: Hardworking, ethical, and helpful

When other people don't get you, they see you as: Manipulative, weak, and unstable

catia's personality type:

Warm-hearted, popular and conscientious. Tend to put the needs of others over their own needs. Feel strong sense of responsibility and duty. Value traditions and security. Interested in serving others. Need positive reinforcement to feel good about themselves. Well-developed sense of space and function.

Careers that could fit catia includes:

Home economics, nursing, teaching, administrators, child care, family practice physician, clergy, office managers, counselors, social workers, bookkeeping, accounting, secretaries, organization leaders, dental assistants, homemakers, radiological technologists, receptionists, religious educators, speech pathologists.


segunda-feira, julho 28, 2008

A Metamorfose - Franz Kafka

Comecei a ler este livro Domingo dia 27/07/2008 e acabei-o hoje dia 28/07/2008.





A Metamorfose (Die Verwandlung em alemão), é um conto escrito por Franz Kafka, publicado pela primeira vez em 1915.

Uma manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregor Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco inseto".

É deste modo que Kafka inicia a história de Gregor Samsa, um caixeiro-viajante "obrigado" que deixou de ter vida própria para suportar financeiramente todas as despesas de casa.

Numa manhã, ao acordar para o trabalho, Gregor vê que se transformou num inseto horrível com um "dorso duro e inúmeras patas". A princípio, as suas preocupações passam por pensamentos práticos relacionados com a sua metamorfose.

Depois, as preocupações passam para um estado mais psicológico e até mesmo sentimental. Gregor sente-se magoado pela repulsa dos pais perante a sua metamorfose. Apenas a irmã se digna a levar-lhe a alimentação, mas mesmo assim a repulsa e o medo também começam a se manifestar. A metamorfose de Gregor vai além da modificação física. É sobretudo uma alteração de comportamentos, atitudes, sentimentos e opiniões.

Gregor passa a analisar as coisas que o rodeiam com muito mais atenção. Outra metamorfose ocorre no seio familiar: o pai volta a trabalhar, a irmã também arranja um emprego e passam a alugar quartos na própria casa onde habitam. As atitudes dos pais perante o filho retratam ao leitor a idéia que este era apenas o "sustento" da casa. A metamorfose de Kafka não conta apenas a história de um homem que se transformou num inseto. É sobretudo uma história de alerta à sociedade e aos comportamentos humanos. Nesta história, Kafka presenteia-nos com a sua escrita sui generis, retratando o desespero do homem perante o absurdo do mundo.

Interessante perceber que em nenhum momento da obra, Gregor se dá conta realmente que se transformou num inseto. Apenas observa seus novos membros, órgãos e hábitos, mas com o tempo se acomoda na nova condição sem realmente entender no que se tornara.



A metamorfose, de Franz Kafka, foi escrito em 1912, quando o autor contava vinte e nove anos. É um de seus poucos romances que foram finalizados e publicados, e é marcado pela sua forma peculiar de compor literatura.
A fórmula é bastante simples: Gregor Samsa acorda certa manhã, após "sonhos intranqüilos", e se encontra metamorfoseado em um inseto monstruoso. A partir daí passa a viver uma nova rotina, na qual deve permanecer em casa e à distância de qualquer visita. O trabalho, obviamente, é abandonado e seu quarto se transforma em todo o seu mundo.
Aos poucos todos se acostumam com a nova forma de Gregor, e todos convivem com ela, cada um ao seu jeito. Ao final, com a morte do grande inseto, todos se aliviam. O livro termina com a família, aliviada, reservando um dia para descanso e para passeio. Algo como um prêmio depois do calvário que foi conviver com situação tão inusitada.
O final da estória, a certa altura, é completamente previsível. Mas a leitura, parágrafo por parágrafo, página por página, é saborosa e gratificante. É como se o final fosse já conhecido, porém cada passo contivesse algo de potencialmente novo ou surpreendente.
A estória de Samsa impressiona pela alegoria associada à vida de um homem comum que exerce atividades burocráticas. O termo "kafkiano", associado a tudo que é inusitado, surgiu das situações em que Gregor aparece contemplativo, em sua nova situação, observando desde seu novo ponto de vista as pessoas e o mundo que o rodeia.
Conta-se que o autor, quando chegava em casa depois do trabalho, em sua essência um conjunto de rotinas burocráticas e burocratizantes, deitava-se no sofá da sala e comentava que se sentia como um grande inseto, referindo-se às limitações impostas ao uso de sua criatividade.
O grande inseto, deitado em sua cama, esperneava e remexia-se tentando voltar à posição natural, com as asas para cima e as pernas para baixo, na qual teria domínio de seus movimentos. O autor, em sua literatura, tentava rebelar-se contra as imposições da sociedade.
O clima mantido por Kafka antecipa as situações de outras de suas obras, em grande parte inacabadas, em que é caracterizado um ambiente de angústia e de desconcerto, atribuído por muitos ao início da era que culminaria com a ascensão de Hitler e com a Segunda Guerra Mundial.
A metamorfose é uma obra de literatura fantástica na medida em que explora uma situação inusitada e que foge ao que é aceitável ou palatável. Bem que poderia ser classificada como ficção científica, mas não há explicações mais detalhadas sobre a transformação do homem em inseto. O certo é que a estória de Gregor Samsa transcende essas classificações e denuncia os mecanismos de dominação e de subjugação da mente humana.

49233$00 de Telefone - Diário de uma Mãe / Diário de uma Filha - Isabel Stilwell



A mãe escreve um diário. Escreve sobre o que a irrita, o que a faz feliz; atira para lá as suas dúvidas e angústias de “velha” de 38 anos e de mãe de uma adolescente.
A filha escreve um diário. Escreve sobre o que a irrita, o que a faz feliz; atira para lá as suas dúvidas e angústias de adolescente e de filha.
Moram na mesma casa, são reféns das mesmas hormonas, conhecem as mesmas pessoas mas, o que escrevem não pode ser mais diferente.

Comecei a ler no Sábado dia 26/07/2008 e acabei no Domingo dia 27/07/2008

Inês de Portugal - João Aguiar




Castelo de Santarém, num dia do ano de Cristo de 1359.
Enquanto El-Rei D. Pedro I corre a caça pelos campos, os seus conselheiros Álvaro Pais e João Afonso Tello esperam com sombria ansiedade a chegada de dois prisioneiros, Álvaro Gonçalves e Pero Coelho, dois dos "matadores" de Inês de Castro (o terceiro, Diogo Lopes Pacheco, logrou fugir e refugiou-se em França). A esses homens havia sido solenemente prometido perdão, mas o Rei, decidido a vingar a única mulher que amou, quebrou o juramento feito, e agora eles vêm, debaixo de ferros, a caminho de Santarém. É este o ponto de partida de Inês de Portugal. Mas ao longo das suas páginas é todas a história de Pedro e Inês que João Aguiar reconstrói, abordando pela primeira vez um tema histórico posterior à Nacionalidade e fazendo-o desde logo com um dos mitos maiores da nossa consciência de Nação.

Comecei a ler na Quinta-feira dia 24/07/2008 e acabei de ler no Sábado dia 26/07/2008

quinta-feira, julho 24, 2008

Começar de Novo - Margarida Fonseca Santos

Este foi um livro que me ofereçaram no âmbito do Bookcrossing (BC do Mês de Julho) e começei a ler ontem e acabei no proprio dia... de forma que a leitura é tão cativante, tão simples... que não conseguia parar de ler até chegar à última folha...Gostei muito ;)
Muito obrigada Betita




Voltar a amar é sempre um desafio…
Prémio Revelação APE/Instituto Português do Livro e da Biblioteca (IPLB)


Depois de vários anos de vida em comum, Duarte e Rita separam-se. Ela apaixona-se por um colega de trabalho, ele sai do Porto decidido a esquecê-la. Ao mesmo tempo, em Lisboa, Sofia termina a relação com Carlos, depois de este lhe dizer que se apaixonou por outra pessoa.


Um dia, por casualidade do destino, Sofia e Duarte ficam fechados num elevador, tornando-se amigos. Essa amizade evolui, pouco a pouco, para um nível de intimidade maior, ajudando cada um a ultrapassar os problemas sentimentais.
Mas nos caminhos do amor até que ponto a simples vontade de esquecer a mágoa significa estar preparado para começar de novo?

quarta-feira, julho 23, 2008

Mais outras Prendinhas ;D !!!

E como ainda sobrou algum dinheiro ainda fui comprar umas contas para a minha pulseira PANDORA ;))))



Uma Conta em prata, zircónia



A Borboleta (não preciso de explicar pk, pois não???)

Ainda mais umas prendinhas.. do meu Aniversário ;))))

Como a minha avó (que mora no Norte) enviou-me como prendinha de aniversário, algum dinheiro, fui hoje às compras... ;) Huuuupiiii !!!
E como não podia deixar de ser comprei estes dois livros, que andava já à bastante tempo a namorar lol.

O Lado Selvagem
de Jon Krakauer



Baseado no caso real de Christopher McCandless, um jovem de vinte e dois anos que, ao terminar a faculdade, doou todo o seu dinheiro a uma instituição de caridade, mudou de identidade e partiu em busca de uma experiência genuína que transcendesse o materialismo do quotidiano. Começando a sua viagem pelo Oeste americano, Christopher dá igualmente início a uma aventura que mais tarde viria a encher as páginas dos jornais e que termina com a sua morte no Alasca. Uma morte misteriosa… Acidental ou propositada? Um livro comovente que cativa o leitor pela forma como é retratada a força indomável de um espírito rebelde e lírico.

O Jardim Encantado
de Sarah Addison Allen




Num jardim escondido por trás de uma tranquila casa na mais pequena das cidades, existe uma macieira e os rumores que circulam dão conta de que dá um tipo muito especial de fruto. Neste encantador romance, Sarah Addison Allen conta a história dessa árvore encantada e das extraordinárias pessoas que dela cuidam...
As mulheres da família Waverley são herdeiras de um legado mágico — o jardim familiar, famoso pela sua macieira, que produz frutos proféticos, e pelas suas flores comestíveis, imbuídas de poderes especiais que afectam quem quer que as coma.

Proprietária de uma empresa de catering, Claire Waverley prepara pratos com as suas plantas místicas — desde as chagas que ajudam a guardar segredos até às bocas-de-lobo destinadas a desencorajar intenções amorosas. Entretanto, a sua idosa prima Evanelle é conhecida por distribuir presentes inesperados cuja utilidade se torna mais tarde misteriosamente clara. São elas os últimos membros da família Waverley — com excepção da rebelde irmã de Claire, Sydney, que fugiu da cidade há muitos anos.

Quando Sydney regressa subitamente a Bascom com uma filha pequena, a tranquila vida de Claire sofre uma reviravolta, bem como a fronteira protectora que erigiu tão cuidadosamente em redor do seu coração. Juntas uma vez mais na casa onde cresceram, Sydney reflecte sobre tudo o que deixou para trás ao mesmo tempo que Claire se esforça por sarar as feridas do passado. E em pouco tempo as irmãs apercebem-se de que têm de lidar com o seu legado comum para viverem as alegrias do futuro que se anuncia.

Encantador e pungente, este fascinante romance irá, seguramente, enfeitiçar o leitor.

Críticas de imprensa
«Fascinante e encantador. Este impressionante romance de estreia vai seduzir os fãs de Alice Hoffman e Laura Esquivel.»
Booklist

«Um romance mágico.»
BookPage

«O Jardim Encantado vai seduzir muitos leitores.»
Publishers Weekly

«É refrescante encontrar um romance de um autor sulista que se baseia no realismo mágico. Compre este livro, leia-o e recomende-o a outros.»
Library Journal

«Um toque de Como Água para Chocolate...»
Bookseller

30 Livros de Bolso - DN

O DN volta a oferecer aos seus leitores uma colecção de 30 livros de bolso, que irão ser distribuídos com o jornal entre 26 de Julho e 5 de Setembro, todas as segundas, quartas, sextas, sábados e domingos.
Comprei hoje o jornal para poder partilhar a lista, mas nada de lista completa. A informação disponível é a que se segue:

- 26 de Julho (sábado): Coração Débil, Fiódor Dostoiévski



- 27 de Julho (domingo): Metamorfose, Franz Kafka



- 28 de Julho (segunda-feira): Histórias Eróticas, Giovanni Bocaccio



Os restantes livros são dos seguintes autores: Anton Tchekov, Voltaire, Lev Tolstoi, Jack London, Maximo Gorki, Thomas Hardy, Joseph Conrad, H.P. Lovecraft, Robert Louis Stevenson, Charles Dickens, Henry David Thoreau, Henry James, Miguel de Cervantes, Rainer Marie Rilke, Nikolai Gógol, Sun Tzu, Stephen Crane, Oscar Wilde, Thomas Wolfe, Gustave Flaubert, Edgar Allan Poe e Italo Svevo.
Uma vez que o número de escritores referidos não corresponde ao número de livros que irão ser publicados para além dos que referi, suspeito que possam haver alguns escritores repetidos.

Memoirs of a Geisha - Trailer

Memórias de uma Gueixa

Autor: Arthur Golden

Quioto, anos 30. Sayuri tem olhos cor de espelho e é uma das mais famosas gueixas do Japão. Acompanha cidadãos japoneses abastados, enverga deslumbrantes quimonos de seda mas tem de pagar pela sua própria liberdade até conhecer um danna que a sustente e pague todas as suas despesas. Na sua vida, tal como na de todas as gueixas, não há lugar para o amor, mas Sayuri apaixona-se... Um romance ímpar e contagiante que demorou dez anos a escrever.



Acabei de ler o livro ontem ao final da tarde e depois estive a ver o filme... adorei os dois... o filme ao contrário do que costuma acontecer sempre está muito bem feito... mesmo muito idêntico ao livro.

Arthur Golden (Chattanooga, Tennessee, 1956) é um escritor norte-americano e o autor do bestseller Memoirs of a Geisha, livro que foi adaptado ao cinema em 2005 com interpretações de Ziyi Zhang e Ken Watanabe e dirigido por Rob Marshall.

Arthur Golden formou-se em Harvard em 1978 em História de Arte, especializando-se em arte japonesa. Em 1980 fez um mestrado em Artes (M.A.) dedicado à História japonesa, na Universidade de Columbia, onde também aprendeu mandarim. Depois de um Verão na Universidade de Pequim, foi trabalhar para uma revista em Tóquio. Em 1988 fez um M.A. sobre Inglês na Universidade de Boston.

Viveu e trabalhou no Japão, e desde essa altura tem ensinado escrita criativa e literatura na área de Boston. Vive em Brookline, Massachusetts, com a mulher e os filhos.

sexta-feira, julho 18, 2008

Stardust movie - music video

Kimono

No passado fim de semana fui com uns amigos à FIL, ver a Feira de Artesanato...
e no meio de coisas tão lindas!!!....acabei por comprar um kimono..

Aqui fica só uma imagem de como fica um kimono vestido (mas prometo colocar aqui algumas fotos do meu kimono)




Pulseira Pandora

Actualmente a minha pulseira Pandora está assim:


E ainda ... mais umas prendinhas !!!

Estas contas foram oferecidas pelo meu papá...




Esta conta tem gravado: "I LOVE YOU"



Esta conta é uma pomba, que significa Paz e Harmonia :D !!!



Muito Obrigado!!!!

Mais Prendinhas lindas !!!! ;)



Esta prenda foi a minha querida mana que me ofereceu... adoreiiiii!!!
É mais um Murano para a minha pulseira Pandora

Mais uma Prendinha!!!!

Esta foi uma prenda oferecida a mim mesma... para proteger os meus olhos do sol, devido também à operação ;)

São lindos... não acham???


quinta-feira, julho 17, 2008

ERA 2008 - Experiência RABCK de Aniversário

No âmbito do Bookcrossing, este ano inscrevi-me no "ERA 2008 - Experiência RABCK de Aniversário" e a minha querida "madrinha" Fern2005 enviou-me este maravilhoso livro, que eu tenho a certeza que vou adorar... Muito obrigada "madrinha"!!!! ;)


O Deus das Pequenas Coisas
Arundhati Roy



O Deus das Pequenas Coisas é a história de três gerações de uma família da região de Kerala, no sul da Índia, que se dispersa por todo o mundo e se reencontra na sua terra natal. Uma história feita de muitas histórias. A histórias dos gémeos Estha e Rahel, nascidos em 1962, por entre notícias de uma guerra perdida. A de sua mãe Ammu, que ama de noite o homem que os filhos amam de dia, e de Velutha, o intocável deus das pequenas coisas. A da avó Mammachi, a matriarca cujo corpo guarda cicatrizes da violência de Pappachi. A do tio Chacko, que anseia pela visita da ex-mulher inglesa, Margaret, e da filha de ambos, Sophie Mol. A da sua tia-avó mais nova, Baby Kochamma, resignada a adiar para a eternidade o seu amor terreno pelo Padre Mulligan..
Estas são as pequenas histórias de uma família que vive numa época conturbada e de um país cuja essência parece eterna. Onde só as pequenas coisas são ditas e as grandes coisas permanecem por dizer.
O Deus das Pequenos Coisas é uma apaixonante saga familiar que, pelos seus rasgos de realismo mágico, levou a crítica a comparar Arundhati Roy com Salmon Rushdie e García Márquez.

Ano do Coelho

As horas governadas pelo Coelho: 5 a.m. às 7 a.m.
Sentido do seu Signo: Directamente para o leste
Princípio da estação e mês: Primavera - Março
Corresponde ao Signo ocidental: Peixes
Elemento fixo: Madeira
Haste: Negativo
Cor: Cinza
Sabor: Salgado
Alimento: Peixe
Bebida: Vinho Francês
Condimento: Pimenta
Animal: Esquilo
Planta: Rosemary
Árvore: Vidoeiro prateado
Metal: Bronze
Instrumento musical: Tambor
Dia do Mês: 8
Número: 20



Ano do Coelho

Um ano calmo, muito bem vindo e muito necessitado após o ano feroz do tigre. Nós devemos apagar alguns pontos, curar as nossas feridas e começar com algum descanso após todas as batalhas do ano precedente.

O bom gosto e refinamento brilharão em tudo e as pessoas reconhecerão que a persuasão é melhor do que a força. Uma época harmoniosa em que a diplomacia, as relações internacionais e a política darão um grande passo outra vez. Nós agiremos com discrição e faremos concessões razoáveis sem demasiada dificuldade.

O momento de prestar atenção ao que se passa à nossa volta. A influência do coelho tende a estragar os momentos de mais conforto despertando e relevando a eficácia e o sentido do dever.

A lei e a ordem serão as máximas deste ano; as regras e os regulamentos deverão ser cumpridos. No entanto, ninguém parece incomodar-se muito com estas realidades desagradáveis. Estão mais ocupados em se apreciar ou simplesmente a fazer coisas fáceis. O cenário é quieto e calmo, deteriorando-se ao ponto de provocar sonolência. Nós todos teremos uma tendência para pôr de lado as tarefas desagradáveis por um período o mais longo possível.

Pode ganhar-se dinheiro sem muito trabalho. O nosso estilo de vida será lânguido e cheio de lazer. Um ano temperado com ritmo lento. Pode-nos parecer possível ser feliz sem demasiados cuidados.


Personalidade

As pessoas do Coelho são benevolentes, calmas e responsáveis. Envolvidas frequentemente em cosméticos ou em fármacos. Evitam o confronto sempre que possível mas mostram bravura quando é necessário.

Uma pessoa nascida no ano do coelho possui um dos mais afortunados dos doze signos animais. O coelho, ou "hare" como é designado na mitologia chinesa, é o emblema da longevidade e é dito que a sua essência deriva da lua.

Quando um ocidental olha para a lua, pode brincar e dizer que é uma bola de queijo ou contar a uma criança a história do homem na lua. Quando um chinês olha a mesma lua, vê os "hare" da lua estarem perto de uma rocha e prenderem o elixir da imortalidade em suas mãos.

Durante o festival chinês do meio Outono, quando a lua é suposto estar no seu ponto mais encantador, as crianças na China ainda carregam as lanternas de papel iluminadas, feitas há semelhança da imagem de um coelho, e escalam os montes para observar a lua e para admirar os "hare" da lua.

O coelho simboliza a graciosidade, as boas maneiras, conselhos sadios, bondade e sensibilidade à beleza. O seu discurso delicado e maneiras graciosas preenchem todos os traços desejáveis de um diplomata bem sucedido ou de um bom político.

Do mesmo modo, uma pessoa nascida sob este signo procurará ter uma vida tranquila, apreciando a paz, a quietude e um ambiente harmonioso. É reservado e artístico e possui um bom julgamento. O seu comportamento far-lhe-á também ser um bom aluno. Brilhará nos campos da lei, da política e do governo.

Pode parecer um pouco estranho e por vezes parecer deslocado do ambiente ou ficar indiferente.

O coelho é extremamente afortunado no negócio e em transacções financeiras. Astuto em negócios impressionantes, pode sempre aparecer com uma proposta acima ou uma alternativa apropriada para benefício dele mesmo. A sua queda para o negócio, acompanhada com o seu jeito de negociação, assegurar-lhe-á uma ascensão rápida em toda a sua carreira.

Embora o coelho possa mostrar-se indiferente às opiniões dos outros, ele aprecia a crítica. Ele prefere ser interlocutor do que técnico da luta, pode iludir-se mas também pode arquitectar e fazer uso quando lhe convém. A pessoa do coelho tanto pode ser delicada com quem ama, como pode ser superficial e mesmo rude nas suas relações com os de fora. Suave e auto indulgente, aprecia os confortos da vida e gosta de os destacar nos seus desejos. Acredita sinceramente que não custa nada às pessoas poderem ser agradáveis e fará sempre um esforço nesse sentido.

O coelho tem uma natureza dócil, quieta e enganadora, uma pessoa do coelho possui uma vontade forte e uma auto segurança quase narcisista. Persegue os seus objectivos com precisão metódica mas sempre de uma maneira única. Não fará ondas. O traço especial que torna a pessoa do coelho um negociador formidável é o seu instinto. É sempre difícil avaliar correctamente os seus pensamentos.

O coelho geralmente tem maneiras impecáveis. Raramente usa palavras ásperas e nunca recorrerá a palavrões para se fazer ouvir. Tem as suas próprias técnicas. O coelho podia esconder-se debaixo desse casaco grosso de decência para dominar os seus opositores. As suas credenciais são geralmente impecáveis ou pelo menos muito boas. O que existe de mais simpático, o coelho tem. Agora compreende porque é que o Bugs Bunny começa sempre com as suas cenouras em todas aqueles filmes animados?

Ás vezes o coelho pode aparecer um bocado lento ou excessivamente deliberado, mas isto é devido ao seu sentido nato de cuidado e discrição. Uma coisa é certa, lê sempre a cópia por mais simples que seja antes de assinar qualquer original. O coelho é conhecido pela sua capacidade de avaliar pessoas, situações, e ganhar recursos à sua maneira.

O Coelho é muito compreensivo com os seus amigos: bom colega de trabalho e bom amigo para partilhar histórias. É uma companhia relaxante. Tem muita energia para as coisas que gosta de fazer e pode planear o casamento de um amigo até ao último detalhe sem se cansar, mas se sentir magoado de alguma forma ou lhe parecer ter motivo para, largará tudo de imediato sem olhar para trás. Essa é a parte filosófica do coelho. O segredo é saber quando as suas baterias necessitam de recarregar, e ninguém tem um conhecimento melhor de cronometrar isto do que o coelho.

Quando todos se começarem a matar com arremessos loucos por ganância, o coelho sabe que o mundo estará ainda aqui amanhã. Assim, para quê a pressa? Por que é que você não se senta ? Provavelmente far-lhe-á um chá agradável e ajudar-lhe-á a esquecer de tudo que se passa lá fora.

Em qualquer situação, você pode sempre confiar no coelho para estar no controlo. Observará o número da matrícula do carro junto ao portão ou recordará que o ladrão usava calças de ganga ou ténis brancos. E quando você estiver no arquivo da estação de polícia, ele recordará calmamente todos os detalhes e ajudar-lhe-á a responder a todas aquelas perguntas irritantes.

O coelho é quem sabe realmente viver. Não é um amante do desporto ou um disciplinado com olho atento. Não gosta de se sentir embaraçado em público. É perito na arte de não dar a cara e de não expor os seus sentimentos.

Não tenha nenhuma dúvida - ele faz anotações mentais dos seus erros e progride. É bem aceite por todos e popular. Uma vantagem desta filosofia é que o coelho faz poucos inimigos e assim raramente tem problemas. As pessoas respondem-lhe de forma generosa, deixando-o passar.

Ninguém tem uma orelha para emprestar mais simpática do que o coelho (excepto a cabra) se você precisar. Mas quando for um orador excelente e um ouvinte passivo, fará do papel um excelente conselheiro. É, sobretudo, um intelectual, um realista e pacifista. Não o espere ver sair voando até si. Isso seria pedir demais. O coelho emprestar-lhe-á o dinheiro para o advogado ou afiançá-lo-á para o por fora da cadeia se tiver recursos para isso. E se você começar a tornar-se demasiado incómodo, pode contar com ele porque rapidamente fará uma saída rápida e graciosa da sua vida.

A senhora refinada do Coelho não pensará duas vezes em casar com um bom milionário antiquado em vez de um homem considerável mas sem um tostão. Esta vontade dá-lhe as vantagens e os luxos que exige como necessidades. O seu homem deve ser poderoso o bastante para a proteger e suportar o seu estilo, deverá ser suficientemente sensível para desaparecer quando a mulher coelho não quer ser perturbada.

Quando lhe é dada a escolha, o coelho votará por uma vida fácil e boa. Gastarão toda a roupa de alta costura. Sweaters de caxemira, blusas de seda pura e linho, e tecidos duráveis. Um vison ou um chinchilla colocado sobre o ombro com um ar bem calculado podiam também identificar o nativo elegante do coelho. Os projectos geométricos ou chocando-se ofendem o sentido de conformidade do coelho e do seu equilíbrio.

Quando gracioso com os amigos e colegas de trabalho, a pessoa do coelho pode ser um tanto distante da sua própria família ou simplesmente ser repelida pela rotina e por deveres domésticos. Podem não gostar de relações muito próximas.

O Sr. Coelho é um cavalheiro singular. Move-se com graça, encanto e gentileza, apesar do facto que quando dá os seus elogios, bebe também o seu melhor vinho. Sim, o coelho gravita para a nata da sociedade e o sabor do "dulce fare niente".

No seu melhor, o coelho é admirado pela suavidade dos seus gestos e inteligência e é procurado pelos seus conselhos sensíveis. No seu pior, é demasiado imaginativo, sensível ou apenas indiferente. Evita o contacto com o sofrimento ou com a miséria humana, como se fosse alguma doença altamente contagiosa.

O coelho não é de modo nenhum fácil de prender. Pode também tornar-se muito repressivo na sua predilecção para o segredo e privacidade. Quando a pessoa do coelho se sente ameaçada, a sua subtil ninhada ou o antagonismo escondido poderiam ser expressados pelo uso de tácticas subversivas. Joseph Stalin e Fidel Castro são exemplos destes coelhos.

Por todas as suas qualidades positivas, um nativo deste signo avaliar-se-á como acima de todos os outros. Quando abusa demasiado, rejeitará qualquer coisa ou qualquer um que ouse alterar a calma da sua existência. A sua opinião é conhecida por ser flexível e tem o jeito de jogar ambos os lados pelo seguro. A segurança podia ser uma obsessão dos tipos mais fracos deste signo; raramente se encontra um coelho nas áreas de risco elevado.

Este amor com aversão pelo conflito pode dar ao coelho uma reputação de fraco, oportunista e auto-indulgente. Ao contrário do dragão, o cão, o tigre, ou o galo, todos apreciam uma luta ou discussão amorosa de vez em quando, e podem mesmo prosperar nela, o coelho não têm predisposição para o combate. Não nasceu para ser um guerreiro. Tem um funcionamento mais eficaz atrás das cenas. Não se preocupe com o bem estar do coelho. É ágil e sagaz ,está armado com um bom sentido para manter-se fora de qualquer dano. Ao contrário de outros signos, que podem perseguir ideais elevados, o objectivo principal do coelho na vida é simplesmente a auto-preservação.

O ano do coelho é reconhecido por trazer a paz ou ao menos um respeito pelo conflito ou guerra. Do mesmo modo, o seu nativo fará tudo ao seu alcance para restaurar a harmonia ou sairá de cena.

A pessoa do coelho é hospitaleira e um anfitrião maravilhoso. Companhia agradável e meiga, tem sempre uma palavra boa para dar a todos. Mas não se deixe enganar por ele. Sabe mais do que dirá e você pode facilmente reconhece-lo pela sua "finesse". Será o seu melhor amigo desde que não lhe peça demasiado.

O coelho é mais compatível com os nascidos no ano da cabra. Compartilharão do mesmos gostos assim como no campo do conforto material. Igualmente bem composto será um relacionamento com a pessoa do cão ou o nativo honesto do porco. O rato, o dragão, o macaco, o boi, a serpente e o coelho poderão ser as suas segundas escolhas. Mas não poderá tolerar a vaidade ou o criticismo do galo, é pouco impressionável pelo dramatismo do tigre e não aprecia as maneiras rapidamente moderadas do cavalo.

Resumindo, o Hare pula simplesmente sobre obstáculos no seu trajecto e recupera das calamidades de forma notável. Não importa como é lançado, aterra sempre em pé. Não pode ser chegado à família mas fará todos os esforços para fornecê-los com o melhor de tudo. O seu aspecto macio e vulnerável é protegido por uma armadura de caução e sagacidade. Na vida, o coelho evitará de o conflito a todo o custo, a menos que, naturalmente, o afecte directamente, se for o caso tomará as medidas apropriadas para proteger os seus interesses.

Não há nenhuma luta interna no grande coração do coelho entre as forças do bem e do mal. Acredita na sua própria capacidade de sobreviver, confia em seu próprio julgamento e está em paz com ele próprio. O seu signo é o mais apto para encontrar a felicidade e o contentamento.

A CRIANÇA DO COELHO

Uma criança nascida no ano do coelho terá uma doce disposição. Uniforme, moderado e obediente, será sensível às recomendações dos pais e agirá de acordo com isso. Pode ou não ser falador, mas não será malcriado ou ofensivo. Pode sentar-se e ficar quieto e concentrado com um brinquedo ou jogo. Geralmente é um dorminhoco e sofre muito quando está doente. Será fácil de disciplinar e não terá dificuldade na escola. Aprende bem e com facilidade as suas lições. Mas embora tenha boas maneiras, isso não significa que não argumentará quando precisar de reforçar as suas ideias. Pode agarrar ambos os lados de uma pergunta rapidamente e debatê-los nesse momento com inteligência.

Às vezes, será difícil decifrar os seus pensamentos ou acções. Perito em mascarar os seus sentimentos, o coelho dirá somente aquilo que sabe que irá agradar e manobrará assim a maneira de pensar dos outros sem estes darem por isso. Poderá afastar-se de forma a proteger as suas possessões. Notavelmente observador, pode calcular as suas possibilidades para alcançar um fim. Em vez de resistir directamente às regras, o subtil coelho planejará com cuidado a forma de as contornar. Este educado e pequeno anjo irá negociar sempre por um negócio melhor.

Pode reagir a uma reprimenda de forma filosoficamente indiferente. Esperando pela reacção de uma forma calma, o coelho partirá pacientemente outra vez do quadrado número um do tabuleiro de xadrez. Útil em casa, conformando-se na escola e bem ajustado ao ambiente, esta criança saberá lidar com as pessoas e dar a volta aos problemas. Será bem aceite por todos.


COELHO MADEIRA - 1915, 1975, 2035

Quando a madeira é exaltada neste signo lunar já governado pela Madeira, poderia produzir um generoso coelho, especialmente compreensivo e que será demasiado caridoso, às vezes para o seu próprio bom. Não há dúvida das suas ambições reais e contínuas, pode frequentemente escolher ignorar os erros feitos na sua presença a fim de manter o "Status Quo". Em consequência, outros poderão aproveitar-se e tirar vantagem desta sua atitude simpática e permissiva.

Contudo, este tipo de coelho safa-se bem. Prospera em grandes corporações ou em instituições onde ele pode lentamente e diplomaticamente escalar a escada do sucesso, através de um degrau de cada vez. O esforço e o trabalho de grupo apelam-lhe e dão-lhe o tipo da segurança e estabilidade que necessita. Mas por causa do seu desejo inato de se sentir parte de um grupo, pode tornar-se um bocado demasiado burocrático quando tem que fazer uma decisão que possa ofender as pessoas ou ajustar um precedente para um caso controverso. Na sua recusa para medir ou tomar partido, pode acabar por ferir todos, incluindo ele próprio. Deve ser mais discriminador e decisivo e tomar as medidas necessárias para isolar-se daqueles que rapinam da sua natureza generosa. Porque é daqueles que se consegue baixar de forma graciosa sem quebrar, este coelho não terá nenhum problema em lutar em qualquer lugar que escolha.



O Coelho e os seus ascendentes

Nascido durante as horas do Rato - entre as 11 p.m. e 1 a.m.

Astuto, afectivo e bem informado. A forma de vida do rato altera as maneiras reservadas do coelho e torna-o menos indiferente.

Nascido durante as horas do Boi - entre a 1 a.m. e 3 a.m.

A influência do boi faz este coelho agir com mais autoridade do que o normal. Podia ser muito bem sucedido com a força e auto-controlo do boi.

Nascido durante as horas do Tigre - entre as 3 a.m. e 5 a.m.

Rápido a falar e a pensar. O tigre existente nele forçam-no a ser mais agressivo enquanto o lado do coelho mantém o controlo.

Nascido durante as horas do Coelho - entre as 5 a.m. e 7 a.m.

Filósofo extraordinário! Sábio maravilhoso que nunca toma atitudes sobre os assuntos alheios porque não gosta de tomar partido seja por quem for. Somente uma coisa é certa - sabe como tomar conta se si.

Nascido durante as horas do Dragão - entre as 7 a.m. e 9 a.m.

Coelho ambicioso e resistente. Não gostará de sujar as suas mãos e provavelmente não terá de o fazer. Pode comandar os outros para seguirem a sua vontade ou planos.

Nascido durante as horas da Serpente - entre as 9 a.m. e 11 a.m.

Instável e reflexivo, mas auto-suficiente é pouco provável que alguma vez solicite conselhos. Extremamente sensível ao que se passa à sua volta e guiado estritamente pelas suas intuições.

Nascido durante as horas do Cavalo - entre as 11 a.m. e 1 p.m.

Um coelho sortudo com a auto-confiança do cavalo. Pode ser uma combinação excelente porque ambos os signos têm instintos vencedores.

Nascido durante as horas da Cabra - entre as 1 p.m. e 3 p.m.

A cabra torna o coelho mais simpático e generoso. O resultado é uma personalidade mais tolerante e mais amorosa, mas pode também ser tentado a gastar mais do que pode.

Nascido durante as horas do Macaco - entre as 3 p.m. e 5 p.m.

Coelho risonho e bem disposto. Aqui a intuição diplomática do coelho e frente fria farão uma cobertura perfeita para os disparates do macaco. Fique pronto para romper com a rotina!

Nascido durante as horas do Galo - entre as 5 p.m. e 7 p.m.

O coelho aprende a dar voz à sua mente através do galo. Com a sua sensibilidade básica e o seu julgamento estridente, valerá a pena ouvir-se.

Nascido durante as horas do Cão - entre as 7 p.m. e 9 p.m.

O coelho torna-se mais amigável e extrovertido através do cão. Pode realmente preocupar-se com o bem estar dos outros e tornar-se menos letárgico quando tiver que assumir compromissos.

Nascido durante as horas do Porco - entre as 9 p.m. e 11 p.m.

O Porco pode dar textura ao sabor refinado do coelho. A influência do porco pode diminuir o seu altruísmo e torná-lo disposto a oferecer ajuda.

Como se enquadra o Coelho nos diferentes anos

Ano do Rato

Um ano bom e calmo para o coelho. Sem surpresas, sem grandes problemas, mas não tão frutífero como deseja. O progresso será constante porque nenhuma oposição séria é prevista no seu trabalho ou em casa. Um momento de fazer planos para o futuro ou de comprar propriedades.

Ano do Boi

O coelho enfrenta um ano duro e rigoroso. Desapontamentos, viagens inúteis ou trabalho sem resultados desejados. Poderá ter problemas de saúde causados principalmente por demasiada ansiedade. Partida ou separação um ente querido. Não é um momento para o coelho contemplar mudanças no seu ambiente. Os planos levam mais tempo a desenvolver-se do que espera.

Ano do Tigre

Um ano em que o coelho deve ser extremamente cuidadoso e diplomático, porque tem a tendência de se deixar envolver em conflitos. Os problemas legais ou as disputas parecem querer cair todas em cima dele, será melhor ser cauteloso com o dinheiro ou quando assina documentos originais importantes. Por outro lado, ultrapassará esta fase sem muita dificuldade e poderá fazer alguns ganhos para o final do ano.

Ano do Coelho

Um ano auspicioso para o nativo do Coelho. As promoções, o avanço na carreira ou o sucesso financeiro podem ser previstos para ele assim como alguns benefícios inesperados ou recuperação de fundos perdidos. Os seus planos são facilmente executados e pode haver laços felizes no amor. Poderá festejar a chegada ou regresso de membros novos ou velhos da família.

Ano do Dragão

Este ano o coelho pode esperar uma temporada moderada e feliz mas ocupada no seu lar e na sua carreira. As coisas podem ser misturadas ou medíocres na aplicação de dinheiro, mesmo assim o coelho achará fácil podendo ser genial e sair satisfeito porquanto os seus ganhos totais poderem exceder as suas perdas. Pode fazer os novos amigos poderosos que provarão ser úteis.

Ano da Serpente

O progresso não será fácil para o coelho durante este ano. Pode ter que viajar ou enfrentar dificuldades de diversos sentidos. Uma mudança de residência ou de carreira é também indicada enquanto tenta consolidar ou melhorar a sua posição actual. Poderá também encontrar menos tempo para passar com a sua família ou ter de enfrentar muitas despesas inesperadas.

Ano do Cavalo

Um bom ano está previsto para o coelho, a sua sorte virá do contacto com pessoas úteis que ficarão felizes por usar a sua influência para o seu benefício. Este ano o coelho não experimentará nenhum contratempo de maior ou doença grave. Pode ter de viajar muito.

Ano da Cabra

Um excelente ano para o coelho. Muitas coisas maravilhosas podem ser realizadas e os seus planos poderão progredir suavemente. Um ano próspero para ele mas deverá prestar mais atenção aos detalhes ou pode vir a ter problemas mais tarde em relação a certos acordos. Poucos problemas quer em casa ou no trabalho.

Ano do Macaco

Um ano justo para o coelho providenciando-o para que não seja demasiado optimista. Os negócios ou contratos financeiros podem ser abalados inesperadamente ou não materializados devido à traição de um aliado. A sua vida em família permanecerá calma mas poderá vir a sofrer diversas pequenas doenças que impedem o seu progresso.

Ano do Galo

Um ano difícil para o coelho, porque lhe será difícil poupar dinheiro e ainda terá que fazer face a despesas extras. Um momento para ele se fundir com os outros e deixar-se conduzir. Neste ano deverá ser conservador e não agir independentemente. Os problemas e os obstáculos no lar e no trabalho serão superados, mas não antes de lhe terem causado muita frustração.

Ano do Cão

Um ano suave para o coelho. Fará alguns ganhos e consertará problemas do passado. Encontrará tempo para a recreação e não terá nenhum problema com a família. Uma carreira próspera, pode ser criticado por superiores de cabeça feita por colegas de trabalho.

Ano do Porco

Uma época instável para o coelho. As coisas parecem melhor do que são realmente por isso deve ser muito realístico e evitar fazer promessas ou tentar mantê-las fora das garantias. As dificuldades terão uma tendência para se disfarçar de fáceis, assim não deve ser demasiado confiante e deve tomar todo o cuidado para proteger os seus interesses.

Compatibilidade entre os signos

Signo do Rato

Respeito mútuo e algumas áreas de interesse em comum. Não existe conflito. Compatível a um bom nível. Trabalharão juntos amigavelmente.

Signo do Boi

Relações aceitáveis. Cooperação mas de curta duração. Ambos os lados têm reservas.

Signo do Tigre

Hostilidade e desentendimento. Incapazes de confiar ou comunicar entre si. O melhor será evitar o contacto.

Signo do Coelho

Empatia mútua e nenhum esforço para o domínio. Não existem rupturas na comunicação. Trabalharão juntos pacificamente.

Signo do Dragão

Têm diversos assuntos em comum. Podem ter alguns choques de personalidade mas tentarão estabelecer as diferenças.

Signo da Serpente

Relacionamento trabalhoso. Tolerar-se-ão para conseguir alvos mútuos. Nenhumas atracções profundas ou ligações fortes.

Signo do Cavalo

Animosidade e conflitos fortes. Não se podem relacionar. Não têm muito em comum. Relações não cooperantes.

Signo da Cabra

Uma das melhores combinações. Amor e compreensão mútuos. Têm muito em comum. União bem sucedida e próspera.

Signo do Macaco

Diferenças e rivalidades. Relacionamento moderado. Tolerar-se-ão até um certo nível. Não conseguem atingir uma confiança completa.

Signo do Galo

Conflitos e discussões amargas. Nem mesmo concordam com o tempo. Lutas constantes pelo domínio. Altamente incompatível.

Signo do Cão

União muito compatível e compensadora. Confiança profunda e compreensão um por o outro. Encontrará a prosperidade e a felicidade.

Signo do Porco
Compatível a um bom nível. Interesse mútuo no campo do amor. Vibrações simpáticas um com o outro.


Finanças

São afortunados financeiramente com um sentido muito próprio de escolher um vencedor, são bons jogadores.

Relacionamento

Podem conversar agradavelmente e destacam-se na aparência com facilidade, podem vestir-se e decorar com gosto.

O melhor Sócio
Cabras, cães e porcos

Personalidades Coelho

James Clive, Frank Sinatra

Horóscopo Japonês - Coelho

Coelho



O nobre Coelho
O signo da Virtude


Pessoas nascidas em:br 1903|1915|1927|1939|1951|1963|1975|1987|1999|

Nome do Coelho em japonês: U (de Ussagui)
Estação do ano: primavera
Mês no Brasil: setembro
Mês no Japão: março
Cor astral: preto
Dia favorável : quinta-feira
Números da sorte: 7 e 12
Hora do Coelho: 5 às 7h
Direção: leste
Elemento fixo: madeira
Polaridade: In (Energia Izanami)


Espírito Luz e Regente do Signo:

Ookuni Nushi no Mikoto (Divindade Grande Mestre da Terra). Energia que tem sobre sua atuação a: calma, equilíbrio, reflexão, sabedoria, discrição e profundidade.

Mitologia:

Ookuni Nushi, uma divindade terrestre, genro do deus-Tempestade (Suzano-ô), citado como o patrono da Medicina, em função da famosa lenda do Coelho Branco de Inaba, é um personagem mitológico que passa por várias provações. No início da civilização japonesa, Ookuni Nushi éra uma das figuras mais importante.

Destino:

Em geral as pessoas de Coelho trabalham com eficiência, mas quando estão nervosas ou preocupadas, não conseguem produzir nada e ficam melancólicas e deprimidas. Estão sempre tentando ajudar os outros. Na maioria das vezes têm inclinação religiosa, porém não do tipo convencional. São muito exigentes com as pessoas amadas e verificam tudo que elas fazem. É como se esperassem que elas cometam um erro, para poderem corrigi-las. Adoram o lar e as coisas boas da vida. São bondosas e sinceras. Qualidades: Os nativos de Coelho são pessoas simpáticas, intuitivas, originais, perceptivas, conscienciosas, criativas, não julgam os outros, responsáveis, versáteis e tem princípios fortes.

Defeitos:

Os nativos de Coelhos podem se tornar pessoas emotivas, pessimistas, tímidas, sem praticidade, humor instável, sensíveis a críticas, não têm autoconfiança, evitam confrontos e detestam rotinas.

Perfil:

Com dedicação total à família, os nativos de Coelho quando canalizam corretamente as energias cósmicas são: discretos; refinados; virtuosos; mundanos; cheio de tato; sensíveis; sociáveis; atentos; ambiciosos; prendados; pouco rancorosos; prudentes; conservadores; hospitaleiros e engenhosos. Mas se não souberem controlar as energias, podem se tornar: pedantes; antiquados; suscetíveis; distantes; tortuosos; diletantes; pusilânimes; afetadamente delicados e hipocondríacos.

Personalidade:

Os nativos deste signo são dramáticos, subservientes e dispostos a todos tipos de excessos. São intuitivos e têm tendência a devaneios. Apreciam tudo o que é misterioso, e nesse ambiente são emotivos, demonstram seus sentimentos e são amorosos. Por excelência, é o signo que faz os nativos se interessarem pela meditação transcedental e pelo desenvolvimento da espiritualidade. Por natureza são idealistas e anseiam pela paz da humanidade. Tendem a praticar caridade pública e trabalho social voluntário. Os nativos de Coelho também são pessoas beneficiadas por uma vida harmoniosa e tranqüila. Atenciosas e detalhistas, possuem bom tino comercial. Sua grande sensibilidade é responsável tanto pelas atitudes doces e amistosas quanto pelo comportamento muitas vezes aparentemente indiferente. Não suportando nenhum tipo de desarmonia, procuram sempre o caminho mais discreto e pacífico em direção ao seu grande objetivo: a segurança. São notadas pela capacidade de reconhecer seus limites em todas as áreas. Por essa razão, raramente agem contra a própria natureza íntima, apesar de estarem sempre dispostas a ajudar os amigos.

Prendas!!!

Estas foram as prendas que a minha mamã me ofereceu... para embelezar a minha pulseira Pandora!!!




Esta conta é referente ao mês de Julho!! (o meu mês!)



E esta conta é para que eu receba muitas prendinhas e para me lembrar do meu aniversário ;)



Este é um separador.



Mais um separador.

Feliz Aniversário!!!





Hoje faço 33 anos!!! Muitos Parabéns para mim ;)!!

sexta-feira, julho 11, 2008

A Caixa da Borboleta - Santa Montefiore

A mágica caixa de uma antiga princesa inca. Escritor e fotógrafo, o pai de Frederica traz de uma das suas muitas viagens pelo mundo um presente especial. A filha adora-o, e quando os pais se separam aquela será a única recordação do pai. A menina torna-se mulher, mas será sempre ao passado que irá buscar as suas melhores memórias. É contudo quando se apaixona pela primeira vez e sente a força do amor, mas também a dor da perda, que entende o significado daquela mágica caixa com o desenho de uma borboleta. Um intenso e delicado romance a levar-nos do Chile à Cornualha. Um dos mais aplaudidos romances de Santa Montefiore.


«Refrescante, imaginativo, elegante, delicado. Uma escrita maravilhosa.»
Daily Mail

Ramon precisa de viajar pelo mundo. Quando conheceu a mulher, Helena, ela sabia da sua paixão e seguia-o nas suas aventuras. Com o nascimento dos filhos tudo se altera. Helena fica no Chile enquanto o marido continua as suas explorações pelo mundo. A quem não parece incomodar a ausência do pai é a Frederica, a sua filha. Aguarda-o a cada viagem com igual entusiasmado, ansiosa por ouvir as suas histórias e descobertas. No regresso de mais uma das suas incursões pelo Peru, Ramon oferece à filha uma caixa com pedras incrustadas em forma de borboleta. Aquele caixa, assim conta à filha, teria pertencido a uma princesa inca... Frederica fica encantada com o presente.

A distância cresceu contudo entre os pais e Helena decide regressar com os filhos à Cornualha, na Inglaterra. Frederica não se conforma. Muito ligada ao pai guarda a caixa da borboleta que ele lhe ofereceu como um dos seus mais queridos objectos. Em Inglaterra tem de se adaptar a uma nova vida, mas, já só mulher, descobre o verdadeiro segredo daquele presente. Descobrindo o amor e a perda, a jovem Frederica embarca numa viagem de auto descoberta. Ou se afunda na tristeza, ou se ergue mulher, inteira, mais forte do que nunca.

História de amor, perda e transformação vivida entre a paisagem chilena as zonas rurais de Inglaterra. Depois d’ «A Árvore dos Segredos», este romance confirma Santa Montefiore como uma das mais apaixonantes romancistas da actualidade.



Replantamos amores ao longo da vida.
As árvores ficam onde estão. Olham o mundo, os homens, as suas paixões e conflitos não abandonando as raízes que as prendem ao lugar onde nasceram. O oposto acontece com o coração humano. Vagueia, desenraíza-se. Santa Montefiore, escritora inglesa de ascendência argentina, escreve com a emoção de quem amou, perdeu e voltou a encontrar o amor. Natural de Winchester, Inglaterra, onde nasceu no ano de 1970, viajou pela primeira vez até à terra da avó materna com 19 anos de idade. Foi essa terra (de pôr de sol rosado e aroma a gardénias) que lhe mudou a vida. Em 2001 escreveu o seu primeiro romance, «A Árvore dos Segredos». Lia então, confessa, García Márquez. Existe nos seus livros uma força de vida e uma capacidade narrativa dos lugares e das pessoas que nos envolve da primeira à última página. O Círculo de Leitores edita os seus melhores romances: «A Caixa da Borboleta», «Uma Sonata de Amor», «A Andorinha e o Colibri», «A Última Viagem do Valentina», «A Virgem Cigana».

Círculo de Leitores (CL) - Existe um elemento de transformação em todos seus romances.
Santa Montefiore (SM) - Acredito que as pessoas são moldadas pela vida, os que não se transformam não adquirem sabedoria pela experiência, permanecem apenas no hábito e na rotina. Estamos aqui para crescer e evoluir e faço questão de o demonstrar nos meus livros.

CL - Em oposição a essa ideia de movimento, descreve no primeiro dos seus romances, «A Árvore dos Segredos», a serena imobilidade de uma árvore.
SM - Essa árvore, uma Ombu, é a única árvore indígena nas Pampas, na Argentina. Simboliza a protagonista, Sofia, e o seu sentimento de pertença. No final, quando ela parte, Sofia leva um pedaço daquela árvore. O facto de esse pedaço de árvore medrar em Inglaterra mostra como ela assentou naquele país as suas novas raízes deixando para trás o passado.

CL - Apesar do protagonismo de Sofia Melody, devo confessar que me apaixonou a sua mãe – Anna Melody, uma irlandesa que casa com um argentino.
SM - Sim, também adoro a personagem de Anna Melody. Ela é, afinal, o perfeito exemplo de como podemos mudar, de como a vida pode tornar-nos amargos e azedos. Não é uma personagem baseada em alguém de concreto, deixei-a crescer à medida que escrevia. Anna não pertence à Argentina e sente raiva da filha, Sofia, por ela estar tão enraizada na terra do pai. No entanto quando, vinte e seis anos depois, Sofia regressa a casa é já Anna que sente fazer parte do rancho, e é a filha quem perde esse sentimento de pertença a um lugar. «A Árvore dos Segredos» é romance sobre o sentimento de pertença.

CL - Segue um método de escrita?
SM - Cada livro é diferente. «A Árvore dos Segredos» inspira-se na minha própria relação de amor com a Argentina, por isso sabia que precisava de duas personagens que se amassem, deixassem, e voltassem a reencontrar-se. O tema era a perda e a solidão. No caso de «A Caixa da Borboleta» tive de me sentar e pensar no queria escrever. Decide então explorar um tipo de amor possessivo, que sempre me pareceu muito destrutivo. Comecei com a imagem de Frederica no seu quarto e deixei a imaginação fluir. «Uma Sonata de Amor» é baseado na história de amor vivida por alguém que me é próximo. Tem lugar em Hurlingham porque ainda sentia necessidade escrever sobre a América do Sul, e a minha avó tinha vivido nessa cidade, naquele época. «A Andorinha e o Colibri» foi na verdade uma ideia do meu marido, o historiador Simon Sebag Montefiore. Foi ele quem pensou na analogia de dois pássaros feridos: um, o colibri, levanta-se a custo e segue em frente; a andorinha cuida da sua ferida por anos a fio não voltando a conseguir voar. Depois dos primeiros quatro livros mudei o cenário dos meus romances para a Europa e decidi adicionar algum mistério ao enredo, o que é um pouco mais complexo, mas um excelente desafio. Editei então «A Última Viagem do Valentina», «A Virgem Cigana». Como escritora estou sempre a tentar fazer algo de diferente. Escrevo por prazer e não me permito o aborrecimento!

CL – Apesar da mudança de cenário que refere, a sua narrativa é rica em cristalinas descrições dos lugares, cheia de sons, cheiros, aromas, texturas.
SM - Escrevo sobre os lugares que conheço e amo, baseio-me na minha experiência. Enquanto escrevia «A Árvore dos Segredos» devo confessar que li «O Amor nos Tempos de Cólera». A sua leitura ensinou-me a criar um sentido de espaço através dos cinco sentidos. É afinal através dos sentidos que nos lembramos dos sítios onde estivemos. O aroma das gardénias, do eucalipto, o som dos grilos, o clamor dos pássaros, a sensação de uma quente brisa na pele, a visão de um rosado pôr de sol, o sabor de um vinho...

CL - Para além da memória afectiva, faz algum tipo de pesquisa?
SM - Faço alguma pesquisa mas baseio-me essencialmente naquilo que sei. Leio, falo com as pessoas – as suas histórias pessoais são por vezes a melhor das fontes. Procuro filmes que tenham lugar no tempo e espaço do romance que vou escrever e, de um maneira geral, ando sempre acompanhada da minha caneta e de um bloco de notas.

SM - Santa Montefiore viajou para a Argentina com 19 anos, mas apenas 12 anos depois escreveu «A Árvore dos Segredos». Como a influenciou essa viagem?
SM - Se não tivesse feito essa viagem não seria provavelmente hoje escritora. Foi uma viagem que marcou a minha vida de forma tão profunda que chega a ser difícil explicá-lo. Nunca tinha vivido sozinha pelo que me senti crescer. Aprendi o que era o amor, a perda. Quando regressei, um ano depois, percebi que tinha perdido algo de especial. Foi esse sentimento que me levou a escrever «A Árvore dos Segredos». A sua escrita foi quase uma catarse. Apoderou-se de mim uma tal sensação de perda que a personagem de “Sofia” me ajudou lidar com esse sentimento e no final, tal como ela, também eu consegui deixar o passado para trás.

segunda-feira, julho 07, 2008

Brandi Carlile - The Story

O Último Papa - Luís Miguel Rocha

Mais um livro no âmbito do Bookcrossing, oferecido pel Elhurricane



Sinopse

Intriga, acção e suspense, num thriller vertiginoso que o vai mergulhar no mais obscuro segredo do Vaticano.

1978, CIDADE DO VATICANO
Às 4.30 da manhã , a irmã Vicenza, assistente pessoal de João Paulo I, chega à antecâmara dos aposentos pontífices com o pequeno-almoço. Deseja os bons dias ao Papa mas, pela primeira vez, não é convidada a entrar. Só quando mais tarde ganha coragem e abre a porta, descobre que Albino Luciani, representante de Deus na Terra, jaz morto na cama. Tinha sido eleito Papa há apenas 33 dias. E em 2000 anos de história, nunca nenhum Papa havia morrido sozinho.

2006, LONDRES
Sarah Monteiro, uma jovem jornalista portuguesa, está de regresso a Londres depois de umas férias na terra natal. Ao chegar, encontra entre a correspondência um envelope que lhe chama a atenção. Lá dentro, uma lista com nomes de personalidades públicas e pessoas desconhecidas, entre eles o de seu pai. A lista tem mais de 25 anos e muitos dos nomeados já faleceram. Mas como cedo irá descobrir, aquela lista poderá transformar-se num bilhete para a morte.

Com ajuda de um homem misterioso com muitos nomes e poucas respostas, inicia uma frenética corrida para escapar à morte. De Londres a Lisboa e a Nova Iorque, terá de levar a melhor a uma organização secreta que não olha a meios para deitar a mão à lista, e impedir a divulgação de um segredo que o Vaticano esconde há mais de trinta anos.

Prepare-se, pois desta vez a conspiração é baseada em factos verídicos. E Portugal está envolvido.

Críticas de imprensa
"Inquietante e Diabólico. Um Sucesso."
La Nazione

Climate Message in a Bottle

sábado, julho 05, 2008

Desafio tipo "Novela da TVI"

A liliana desafiou-me e eu tive de dar seguimento à lista de vitimas eheheh

1. Espelhos
2. Mother_24
3. o vento debaixo das minhas asas
4. snowshoee
5. anamae
6. Jota-P
7. lenore1
8. mariadocostume
9. aviciada
10. H2omem
11. Cenouradolado

Então pediu-me para responder a este questionário que é uma verdadeira novela da TVI, cheio de amores impossíveis, desamores, encontros e desencontros ahahahah



1 - Como você encontrou o 4?
Através do Bookcrossing

2 - O que você faria sem o 6?
Bem... não sei.. acho que aproveitava para ler um livro rsrsrssr

3 - O que você faria se o 2 e 6 estivessem namorando?
Não faria nada.. mas acho isso um pouco impossivel, já que a Mother_24 já é casada lol

4 - O que você faria se o 5 confessasse que ele/ela te ama?
Teria de lhe dizer que chegara a hora de pensar seriamente na possibilidade de usar óculos com graduação adequada...

5 - Quem é o melhor amigo do 11?
Ainda não tive o prezer de a conhecer pessoal... mas se for casada é possivel que seja o marido??

6 - Você já se alimentou perto do 1?
Não ainda não tive essa oportunidade, mas pode ser um dia isso venha a acontecer

7 - Você sente saudades do 2?
Sim claro que tenho saudades da Mother_24... bem já não a vejo, opá para ai aos 5 dias.. ela agora está de férias lol (boas férias gaja boa!!!)

8 - Quem o 10 está namorando?
Ainda não consegui descortinar se namora ou não...

9 - O que você acha do 3?
Que tem um coração do tamanho do mundo. E uma generosidade enorme para com os amigos.

10 - O que você acha do 9?
Conheço há pouco tempo (só ainda nos encontramos em Palmela, que passeio tão divertido.. com tanta lama lol), mas parece-me bem disposta e culta.

11 - O que você faria se 4 e 7 estivessem namorando?
Ui.. não sei....

12 - Você casaria com o 8?
Ó Maria... eu gosto muito de ti... mas daí a casar... tenho de dizer que não lol

13 - Você ama 10?
É um pouco complicado.. já que eu não o conheço ...

14 - Já dormiu no mesmo quarto com alguns desses números?
Não ainda não...Mas Mother_24... já nos deu muita vontade de tirar umas sonecas a seguir ao almoço né verdade???

terça-feira, julho 01, 2008

Diário Africano - Bill Bryson

Este foi mais um livro que me foi oferecido pela Baiia, no âmbito do desafio do Bookcrossing, Troca mensal de Livros.

Sinopse

O Quénia, por muitos visto como o berço da humanidade, é uma terra de forte contrastes, desde as mais procuradas reservas de caça, até às paisagens deslumbrantes e à sua tradição cultural extremamente rica. Esta terra de África proporciona também um rico manancial de perigos que, como sabemos, são um dos pontos de honra nas arriscadas viagens de Bryson. Habituado às selvas urbanas, nem neste curioso diário o nosso viajante favorito deixou de fixar os olhos nas estranhas cobras, insectos e outros predadores de maior envergadura.

Queijadinhas de Amêndoa

Ingredientes:

Para a Massa
250g de farinha
1 c. (sopa) de vinagre
1 c. (sopa) de óleo
10 c. (sopa) de água
sal

Para o Recheio
1,5 dl de água
500g de açúcar
1 pau de canela
4 ovos
8 gemas
Raspa de 1 limão
200g de amêndoa torrada e moida

Preparação
1 - Começe por untar 1o formas individuais com óleo e reserve.
2 - Para a massa, misture a farinha, o vinagre e o óleo. Adicione também a água e uma pitada de sal.
3 - Mexa muito bem todos os ingredientes com uma batedeira eléctrica até ober uma massa fofa e depois coloque-a no frigorífico.
4 - Entretanto, prepare o recheio. Num tacho leve a água ao lume com o açúcar e o pau de canela até obter o ponto pérola (mergulhe uma colher na calda e levante-a. Deve de cair um fio resistente, cuja extremidade se assemelha a uma pérola).
5 - Numa tigela à parte, misture os ovos com as gemas, a raspa do limão e a amêndoa.
6 - De seguida, verta em fio, a calda de açúcar no preparado e verta bem.
7 - Estique a massa sobre uma superfíce enfarinhada e, com um corta-massas redondo, corte-a.
8 - forre as formas e preencha-as com o recheio. Coloque-as a meio da altura do forno e coza a 180ºC, durante 20m.
9 - Retire as queijadinhas do forno, desenforme-as e deixe-as arrefecer.
10 - Sirva polvilhadas co açúcarem pó e decore-as com amêndoas inteiras.

BC do Mês - Julho

Para quem ainda não sabe, eu estou inscrita um grupo da Internet (Bookcrossing), que têm por objectivo a troca de livros.. e mesmo a sua "libertação"...e por vezes no forum são lançados alguns desafios... como:
- Ler livros que foram passados a Filmes (lançado por mim :D)
- Ring de Sacos de Chá
- Ring de Marcadores
- Ler livros por ordem alfabética do apelido dos escritores (Ex: A - Allende, Isabel)
- Lotaria (da Marcenda)
- etc... até aonde a nossa imaginação nos levar ;)

Mas neste caso que vos vou falar é sobre a Troca de Livros Mensal, ou seja, inscrevemo-nos neste desafio e foi nos sorteado um Mês (a mim calhou-me a mês de Julho). E em cada mês temos que enviar um livro à pessoa respectiva desse mês. No nosso mês não temos que enviar nada… ficamos a aguardar ansiosamente que nos enviem os livros que gostaríamos de ler (costumamos fazer um lista com os nossos desejos).

Então como o mês de Julho chegou…Huppiiiii… ontem à meia-noite fui abrir os envelopes (que tinha escondido no armário, para não cair em tentação e abrir antes do tempo)… e os livros que os outros bookcrossers me enviaram foram os seguintes:


O Perfume - Patrick Süskind (oferecido pela fbeatriz)



O Perfume é um romance do escritor alemão Patrick Süskind publicado pela primeira vez em 1985. Foram vendidos 15 milhões de exemplares em quarenta línguas. O título original alemão é Das Parfum, die Geschichte eines Mörders, "O Perfume, História de um assassino".

O Perfume foi considerado o livro da década de 80 na Alemanha

O livro conta a história de um homem que possui um olfato extraordinariamente apurado mas não possui cheiro próprio.

A história situa-se no século XVIII, em Paris, depois em Auvergne, em Montpellier, em Grasse e finalmente retorna a Paris. O protagonista, Jean-Baptiste Grenouille, nasceu no meio de tripas de peixe atrás de uma banca, onde a mãe, que algumas semanas depois foi executada por infanticídios, vendia peixe. Grenouille possui duas características excepcionais:

Ele não tem cheiro nenhum, o que assusta sua ama e as crianças com quem ele vive no orfanato, mas que permite que ele passe totalmente despercebido. Durante a história, essa ausência de odor, de que ele se dá conta somente bem mais tarde, será compensada pela criação de perfumes mais ou menos atraentes, que Grenouille utiliza de acordo com as circunstâncias a fim de ser notado pelos outros.
Ele tem um olfato extremamente desenvolvido, o que lhe permite reconhecer os odores mais imperceptíveis. Conseguia cheirá–los por mais longe que estivessem e armazenava–os todos no seu nariz. Esse olfato é sua única fonte de alegria, que ele aproveita para confeccionar, sem a mínima experiência, perfumes de qualidade excepcional.
Durante a sua vida teve vários acidentes e doenças, trabalhou como aprendiz de curtidor de peles e depois como aprendiz de perfumista e, graças às suas características, enquanto foi aprendiz de perfumista aprendeu várias técnicas para a criação de um perfume.

Grenouille um dia encontra uma jovem, com um perfume totalmente diferente de todos os outros milhares de perfumes que ele guardava na memória, e acabará por matá-la, com as suas próprias mãos, de tanto desejar apoderar-se do seu odor. Mas, esta jovem é apenas uma das muitas jovens que o protagonista acaba por matar (26 no total), em busca do perfume perfeito.

No final da história, Grenouille volta a Paris e é partido aos bocados e comido por pessoas devido ao efeito do perfume que tinha posto: um final trágico para o protagonista.

A acção divide-se entre o mundo dos perfumes, traduzido pelo título "O Perfume", que servem para encobrir o mundo dos fedores, dos crimes e da hipocrisia que caracterizam a cidade de Paris no século XVIII.

Adaptação cinematográfica

O livro, até pouco tempo considerado inadaptável para a linguagem cinematográfica, foi transformado em filme no ano de 2006 pelo diretor alemão Tom Tykwer (Corra, Lola, Corra). Süskind negociou os direitos de filmagem com o produtor, também alemão, Bernd Eichinger (A Queda, A Casa dos Espíritos). O filme contou com um elenco de celebridades, tais como Dustin Hoffman e Alan Rickman. O personagem central da história foi interpretado pelo jovem Ben Whishaw. O orçamento da produção extrapolou o valor de 50 milhões de euros, segundo informações contidas no site da Deutsche Welle.

Inês de Portugal - João Aguiar (oferecido pleo Jota-P)




Sinopse
Castelo de Santarém, num dia do ano de Cristo de 1359.
Enquanto El-Rei D. Pedro I corre a caça pelos campos, os seus conselheiros Álvaro Pais e João Afonso Tello esperam com sombria ansiedade a chegada de dois prisioneiros, Álvaro Gonçalves e Pero Coelho, dois dos "matadores" de Inês de Castro (o terceiro, Diogo Lopes Pacheco, logrou fugir e refugiou-se em França). A esses homens havia sido solenemente prometido perdão, mas o Rei, decidido a vingar a única mulher que amou, quebrou o juramento feito, e agora eles vêm, debaixo de ferros, a caminho de Santarém.
É este o ponto de partida de "Inês de Portugal". Mas ao longo das suas páginas é toda a história de Pedro e Inês que João Aguiar reconstrói, abordando pela primeira vez um tema histórico posterior à Nacionalidade e fazendo-o desde logo com um dos mitos maiores da nossa consciência de Nação.

A Estrela de Gonçalo Enes - Rosa Lobato de Faria (oferecido pela Butterfly-noir)



Sinopse
Trata-se de uma obra leve e descontraída sobre a vida e aventuras de duas personagens quase esquecidas da História de Portugal, mais especificamente da época das Descobertas. São personagens reais, se bem que quase todo o enredo seja ficcionado.

Gonçalo Enes ficou na História pela descoberta das grutas de Tassili N`Ajjer. Um jovem órfão de pai, nascido e criado na aldeia algarvia de Bensafrim. Encantado pela estrela Sirius, que o ilumina e encanta durante toda a vida, o jovem Gonçalo, desiludido por um amor impossível, abre o seu destino às incríveis aventuras do Império que El-rei D. Afonso sonhava construir. Pelas aldeias indígenas de África, pelas cidades encantadas de Marrocos, pelas areias misteriosas do deserto, Gonçalo leva consigo o espírito de aventura e coragem que transformou este pequeno país num mundo inteiro de esperança e riqueza.

Gonçalo, mal-amado e desprezado, vive no sonho, mas um sonho que o faz feliz. A amizade, a camaradagem, a fidelidade ao sonho são valores que fazem dele um herói, mesmo que esquecido pela História, como tantos outros que, anonimamente, construíram as páginas mais brilhantes da nossa história.

Fica, desta estória, o encanto de um tempo ido, em que a pobreza se enganava com grandes sonhos, do tamanho do Império. Um livro belo e fresco, descontraído, sem ambições, mas que encanta pela extraordinária simplicidade e singeleza da escrita de Rosa Lobato Faria.

49233$00 de Telefone - Diário de uma Mãe / Diário de uma Filha (oferecido pela wicca)
de Isabel Stilwell



A mãe escreve um diário. Escreve sobre o que a irrita, o que a faz feliz; atira para lá as suas dúvidas e angústias de “velha” de 38 anos e de mãe de uma adolescente.
A filha escreve um diário. Escreve sobre o que a irrita, o que a faz feliz; atira para lá as suas dúvidas e angústias de adolescente e de filha.
Moram na mesma casa, são reféns das mesmas hormonas, conhecem as mesmas pessoas mas, o que escrevem não pode ser mais diferente.


Vida Amorosa de uma Mulher - Zeruya Shalev (oferecido pela Patricialeao)



Sinopse
A obra Vida Amorosa de uma Mulher relata a tempestuosa e angustiante relação entre uma jovem mulher e um homem com o dobro da sua idade, em que o amor e a paixão assumem a forma de um terrível vício. Yaará nunca havia sentido aquele misto de intensa atracção e de profunda repulsa que assaltava agora todo o seu ser, o seu corpo - subitamente desperto -, a sua vida, monótona e descolorida à luz impúdica daquela nova paixão. Não conseguiria dizer o que a mantinha cativa de Arieh - amigo de juventude de seu pai -, do seu inexplicável magnetismo, da sua atitude displicente, rude, deliberadamente ambígua na estranha forma de manifestar os sentimentos. E, no entanto, sabia que o seu amor por ele se tornaria, fatidicamente, obsessivo, desesperado, destruidor. Num minuto vagava no mais luminoso mar de felicidade e, no momento seguinte, descia ao inferno, submersa nas dúvidas, nos ressentimentos, no jogo mórbido da subjugação afectiva e sexual...

Uma narrativa ousada, de contornos nitidamente eróticos, inquietante e profunda, de uma beleza crepuscular, prenúncio dos insondáveis mistérios da noite que, por vezes, envolve o universo do desejo, da dependência, da obsessão sexual, no que ele tem de mais sublime e de mais grotesco, de sagrado e de profano.


Começar de Novo - Margarida Fonseca Santos (oferecido pela Betita)



Sinopse
Voltar a amar é sempre um desafio...
Começar de Novo, um livro de Margarida Fonseca Santos, vencedora do Prémio Revelação APE / Instituto Português do Livro e da Biblioteca (IPLB)

Depois de vários anos de vida em comum, Duarte e Rita separam-se. Ela apaixona-se por um colega de trabalho, ele sai do Porto decidido a esquecê-la. Ao mesmo tempo, em Lisboa, Sofia termina a relação com Carlos, depois de este lhe dizer que se apaixonou por outra pessoa.
Um dia, por casualidade do destino, Sofia e Duarte ficam fechados num elevador, tornando-se amigos. Essa amizade evolui, pouco a pouco, para um nível de intimidade maior, ajudando cada um a ultrapassar os problemas sentimentais.
Mas nos caminhos do amor até que ponto a simples vontade de esquecer a mágoa significa estar preparado para começar de novo?


Quere-o desde já agradecer a todos pelos livros que me enviaram... agora é que a minha pilha de TBR nunca mais baixa LOL...OBRIGADA!!! OBRIGADA !!! ADOREI!!!